Mortos da Segunda Guerra Mundial

Endereço: Parque do Flamengo
Peça: Monumento
Data: 1960
Artista: Hélio Ribas Marinho/Marcos Konder Netto
Material: Concreto

Histórico - A iniciativa de construir um monumento para abrigar os pracinha mortos e sepultados no cemitério de Pistóia coube ao Presidente Getúlio Vargas. Formada uma comissão presidida pelo Marechal Mascaranhas de Moraes, vários projetos foram apresentados, sendo escolhido o de Marcos konder Netto e Hélio Ribas Marinho. A construção foi iniciada no governo de Juscelino Kubitscheck, em 24 de junho de 1957 e terminada a 24 de junho de 1960. No canteiro gramado, em granito triangular, o nome das batalhas travadas na Itália. Continuando, encontramos a entrada para o mausoléu, ladeados de dois painéis em azulejos de Anísio Medeiros: o interno alegórico à Marinha de Guerra, com o nome dos navios afundados na laje preta, eo externo à Marinha Mercante, igualmente bordejada de negro com o nome dos navios afundados. O subsolo é ocupado pelo mausoléu e a casa da guarda. O mausoléu é pavimentado com arenito de Ouro Preto, sendo as paredes revestidas de granito preto da Tijuca; contém 468 jazigos.

Fonte de pesquisa

- Arquivo da Divisão de Monumentos - Prefeitura do Rio
- Monumentos do Rio (Secretaria Municipal de Obras – 1983)
- Apontamentos para um guia histórico do Rio de Janeiro
- http://www0.rio.rj.gov.br/fpj/