Lasar Segall

Endereço: Praça Juarez Távora
Peça: Cabeça
Data: 1963
Artista: Liuba Wolf
Material: Bronze

- clique na imagem para ampliá-la

Histórico - A obra é do escultor Liuba Wolf e foi inaugurada em 1963.

Biografia - Lasar Segall é um pintor e escultor brasileiro de origem lituana. Estuda na Academia Imperial de Belas-Artes de Berlim durante três anos e rompe com ela em 1909. Em 1913 traz para São Paulo a primeira mostra de arte moderna do país. De volta à Europa, participa da criação do grupo de artistas seccionistas de Dresden, na Alemanha, o Dresdner Sezessiongruppe. Muda-se em 1923 para o Brasil, onde já estão alguns de seus irmãos, pressionado pelas instabilidades do pós-guerra na Europa. O ambiente artístico renovado pela Semana de Arte Moderna de 1922 e as cores e a luminosidade tropicais inspiram sua pintura, cuja temática envolve a guerra, a questão judaica, os trabalhadores, as prostitutas e a vida dos emigrantes. Em 1932 participa ativamente da fundação da Sociedade Paulista Pró-Arte Moderna, que difunde o trabalho modernista por exposições e eventos. Seus quadros mais conhecidos são Bananal (1927), Navio de Imigrantes (1941) e Guerra (1942).

Escultor - Liuba Wolf nasce em 1923 - Sófia (Bulgária). Em 1943 ingressa na escola de Belas Artes de Genebra, de 1944 a 1946 estuda com Germaine Richier, em 1949 viaja para São Paulo, organizando um ateliê na cidade. Na década de 50, naturaliza-se brasileira organizando várias exposições de seus trabalhos pelo mundo”. Participou das bienais de São Paulo e Cararra. Um dos seus temas recorrentes são passáros, que ela simplifica até quase a abstração, privilegiando os valores formais da escultura como o espaço. "Se nos torsos Liuba às vezes deforma voluntariamente, conseguindo plasmar volumes de faces hexagonais, de um hieratismo sóbrio, todavia é nas cabeças que sua capacidade se manifesta em alto teor. Malares, queixos, testas, tratados com segurança e brio, conferem à virtualidade anatômica dos rostos a centelha da existência. E essa centelha vivencial é espontânea, sem expressões românticas ou simbólicas, e ao mesmo tempo sem cunho acadêmico".

Fonte de pesquisa

- Arquivo da Divisão de Monumentos - Prefeitura do Rio
- Monumentos do Rio (Secretaria Municipal de Obras – 1983)
- http://ymy.blogs.sapo.pt/297105.html
- http://www.itaucultural.org.br
- http://www0.rio.rj.gov.br/fpj/