Estácio de Sá

Endereço: Avenida Infante Dom Henrique s/nº
Peça: Monumento
Data: 1973
Artista: Projeto de Lúcio Costa
Material: Pedra

- clique na imagem para ampliá-la

Histórico - Consta de cripta, rampas, plataforma e uma pirâmede de forma triangular, com um dos vértices voltado para o Morro Cara de Cão, local onde nasceu a Cidade do Rio de Janeiro. Uma rampa leva á cripta no sub-solo a qual se destinava a conter o Marco de Fundação da Cidade e os restos mortais de Estácio de Sá. Do solo da cripta eleva-se por uma abertura no teto, a pirâmede até cerca de 13m de altura. Outra rampa dá acesso á plataforma, terraço em cujo centro, ao lado da pirâmide há uma abertura em triângulo para iluminação da cripta. Todo o monumento é revestido de pedra serrada, sendo a pirâmide em granito ciclópico aparelhado.

Biografia - Estácio de Sá combate as invasões francesas na cidade do Rio de Janeiro. Acredita-se que tenha vindo para o Brasil em 1557, acompanhando o tio, Mem de Sá, terceiro governador-geral da colônia. É nomeado capitão do navio de guerra Conceição, com o qual parte de Salvador, sede do governo geral, em expedição à Guanabara, para combater a invasão francesa na região. Continua a viagem até São Vicente, no litoral paulista, e de lá vai a Portugal, em busca de reforços para expulsar os invasores. Apesar das dificuldades, consegue construir as bases da cidade de São Sebastião, mais tarde chamada de São Sebastião do Rio de Janeiro. Obtém vitórias parciais contra os inimigos e, em 20 de janeiro de 1567, ao lado de Mem de Sá, derrota-os definitivamente.

Escultor - Arquiteto brasileiro. Precursor da arquitetura moderna no Brasil, projeta o Plano Piloto de Brasília.Lúcio Costa (27/2/1902 - 13/6/1998) nasce em Toulon, na França, onde o pai, brasileiro, trabalhava como engenheiro naval. Estuda na Inglaterra e na Suíça antes de voltar com a família para o Brasil, em 1916. Forma-se em pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas-Artes, no Rio de Janeiro, em 1924. Aos 26 anos entra em contato, na Europa, com o arquiteto suíço Le Corbusier, com quem desenvolve grande afinidade. Sob sua orientação e com a colaboração de uma equipe de arquitetos, projeta o primeiro prédio moderno do Rio de Janeiro, a sede do Ministério da Educação e Saúde, em 1936. Na década de 30 contribui para a renovação do conceito e do desenho arquitetônico do país, ao dirigir a Escola Nacional de Belas-Artes e modificar radicalmente o ensino da instituição. Vence o concurso para criar o Plano Piloto de Brasília em 1957. Escreve várias obras teóricas, entre elas Razões da Nova Arquitetura (1930), O Arquiteto e a Sociedade Contemporânea (1952) e A Crise da Arte Contemporânea (1959).

Fonte de pesquisa

- Monumentos do Rio (Secretaria Municipal de Obras – 1983)
- http://ymy.blogs.sapo.pt/209146.html
- http://ymy.blogs.sapo.pt