Comendador Paulo F. Peixoto da Fonseca

Endereço: Praça Edmundo Bittencourt
Peça: Efígie
Data: anos 1950
Artista: Honório Peçanha
Material: Bronze

- clique na imagem para ampliá-la

Histórico - Medalhão em bronze com a efígie do Comendador Peixoto sobre bloco de granítico, obra de Honório Peçanha.

Biografia - Comendador Paulo Felisberto Peixoto da Fonseca, que chegou ao Brasil em 1875. Alguns anos depois, ele começava a comprar terras na região. Em pouco tempo, acabou formando uma chácara, com lagoas, bambuzal, árvores frutíferas e até gado. comerciante português Sua chácara possuía uma lagoa, um pantanal, árvores frutíferas e um bambuzal entre os morros de São João e dos Cabritos. O Comendador Peixoto não tinha descendentes diretos e deixou todos os terrenos de sua chácara para cinco instituições de caridade: Associação Asilo São Luís para a Velhice Desamparada, Sociedade Portuguesa Caixa de Socorros D. Pedro V, Sociedade Portuguesa de Beneficência do Rio de Janeiro, Casa dos Expostos e Hospital Nossa Senhora das Dores.

Escultor - Nasceu em Macuco, Estado do Rio de Janeiro, a 23 de fevereiro de 1907. Aos quinze anos freqüentou as aulas de escultura do Liceu de Artes e Ofícios sob a orientação de Modestino Kanto. Seis anos mais tarde ingressou no curso livre de escultura da Escola Nacional de Belas Artes, como discípulo de José Corrêa Lima e de Rodolfo Chambelland. Estudou também na Académie de La Grande Chaumiére, como aluno de Charles Despiau e Roberto Wlerick, em 1936. Sua arte, sempre ligada à militância comunista, levou-o a participar como membro do Conselho Mundial da Paz da ONU, em Estocolmo e da IV Conferência do Desarmamento, em Tóquio, no ano de 1958. Em 1933 conquistou a medalha de prata na XXXIX Exposição Geral de Belas Artes, no Rio de Janeiro. Em 1936 viajou para a Europa pela primeira vez, como vencedor do prêmio de viagem ao exterior no XLI Salão Nacional de Belas Artes, do qual figurou em inúmeras edições e foi várias vezes premiado. Em 1985 executou a estátua do presidente Juscelino Kubisheck, parte integrante do Memorial JK, em Brasília. Participou ainda do Salão Fluminense de Belas Artes, em Niterói, 1941; da "Exposição de Escultura", no Museu Nacional de Belas Artes - MNBA, 1950; e do Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1954 e 1957. Executou várias estátuas para a Prefeitura de Niterói, entre elas: Homenagem ao Almirante Ary Parreiras, 1946; Estátua de Rui Barbosa, 1949; e Estátua do Bispo Dom José Pereira Alves, 1949. É responsável também pelo busto do Presidente Nilo Peçanha, 1967, e do escritor Euclides da Cunha, entre outros que figuram no saguão na Câmara dos Vereadores de Niterói. Faleceu em 1992, em Niterói.

Fonte de pesquisa

- Monumentos do Rio (Secretaria Municipal de Obras – 1983)
- http://pt.wikipedia.org
- http://www.niteroiartes.com.br