As terras do bairro de Rocha Miranda pertenciam à Fazenda do Sapê, cujo proprietário, no século XIX, era o Barão de Mesquita. Em 1916, a fazenda seria adquirida pela família Rocha Miranda que promoveu o loteamento da região com a abertura de várias ruas com nomes de pedras preciosas: ruas dos Topázios, das Esmeraldas, dos Rubis, dos Diamantes, Ametistas, Ônix, Turquesas etc.

O “Bairro das Pedras Preciosas” seria atravessado pelo ramal da Linha Auxiliar e, em 17 de março de 1905 (ou segundo Max Vasconcellos em 1911), foi inaugurada a estação “Sapê’, mais tarde rebatizada de Rocha Miranda, cujo atual prédio foi construído em 1977.

Oratório de São Jorge Avenida dos Italianos
Marco da Vitória Praça Oito de Maio

Em Rocha Miranda, ficava o entroncamento das antigas estradas do Sapê, do Barro Vermelho e do Areal (atual avenida dos Italianos), que faziam a ligaçãofazendo a ligaçs ItA Areal(rocamento da, cujo atual prela Avenida brasils Conjuntos Habitacionais Nelson Mandela e Samora Miche com Pavuna e Irajá. Moderno viaduto foi construído sobre a Linha Auxiliar, facilitando a ligação com Madureira, entre a avenida dos Italianos e a estrada do Portela (Viaduto Monsenhor Carlos Ferreira Dias).

Obelisco Praça Oito de Maio
Ceres Rua Sumidouro

A sua principal praça, a Oito de Maio, foi urbanizada pelo prefeito Henrique Dodsworth na década de 1940. No obelisco nela situado lembra-se a participação dos brasileiros (FEB) na Segunda Guerra Mundial (Campanha da Itália).

O bairro é predominantemente residencial e abriga o Hospital Municipal Carmela Dutra. O comércio se concentra próximo à praça Oito de Maio e à avenida dos Italianos. Destaca-se ainda o prédio do antigo cinema Guaraci, com 1379 poltronas, misturando os estilos Art Nouveau e Art Déco, projeto de Alcides Torres da Rocha Miranda, inaugurado em 1954.