Situada em um vale por onde correm as águas do Rio Carioca, encravada entre os Morros do Corcovado, Dona Marta e Mundo Novo e o espigão de Santa Teresa (Morro da Nova Cintra, etc), Laranjeiras possuía características rurais com sítios e chácaras rústicas que abasteciam a Cidade com verduras, legumes e laranjas. As terras dessa região foram divididas em sesmarias e doadas à família de Cristóvão Monteiro, primeiro ouvidor do Rio, que nelas construiu o “moinho velho”. O primitivo caminho de acesso à Laranjeiras acompanhava o Rio Carioca até o Flamengo.

Casa dos Passáros Parque Guinlé
Esfíge Mitológica Parque Guinlé
Grifos Parque Guinlé
Mercúrio Parque Guinlé
Ponte Parque Guinlé

Essas chácaras foram substituídas por outras luxuosas, pertencentes a nobres e homens abastados, como a Chácara Ilhota, de José Antônio Lisboa, a Chácara dos Frontins, a Chácara da Duquesa de Cadaval, a Chácara do Viana, a Chácara do Conde Modesto Leal, entre outras. Em 1895, fizeram em Laranjeiras uma “praça de touros”, de pedras e tijolos, para diversão aos domingos.

Vasos Parque Guinlé
Portão Parque Guinlé
Chafariz da Concha Praça Bem Gurion
General Artigas Praça Chaim
Del Prete Praça Del Prete

O Palácio Guanabara começou a ser construído a partir de 1853, na antiga Chácara do Rozo, pelo comerciante José Machado Coelho. Em 1865, foi comprado pelo Governo Imperial para servir de residência para a Princesa Isabel e o Conde d “Eu, passando então a ser chamado de “Palácio Isabel”. Com o advento da República, hospedou visitantes ilustres, foi moradia de presidentes e, a partir de 1960, tornou-se sede do Governo do Estado. Junto a ele instalou-se, em 1915, o Fluminense Football Club, que ali construiu o seu Estádio das Laranjeiras.

Monumento Del Prete Praça Del Prete
Portal Praça Del Prete
A Fonte Praça São Salvador
Coreto Praça São Salvador
Teixeira de Freitas Rua da Laranjeiras

Na antiga Chácara de Carvalho de Sá, junto ao Morro da Nova Cintra, adquirida pelo empresário Eduardo Guinle, foi construído o Palácio das Laranjeiras entre 1909 e 1914, com seus belos jardins. Em 1947, o Palácio passou para o Governo Federal e, em 1975, foi cedido ao Governo Estadual. Nos jardins, ocupando área de 25 mil metros quadrados, surgiu o Parque Guinle.

Ana Carolina Rua da Laranjeiras, 180
Chafariz Mercúrio Rua Paulo César de Andrade
Chafariz Netuno Rua Pinheiro Machado
Escultura Rua Pinheiro Machado
Oratório de Santa Bárbara Túnel Santa Bárbara

A Praça São Salvador foi aberta na Chácara de José Alexandre Carneiro Leão, em 1875. Em 1880, o Bairro ganhava feições industriais com a instalação da Companhia de Fiações e Tecidos Alliança, na área da atual Rua General Glicério. A fábrica chegou a ter mais de mil operários e funcionou até 1938, dando origem a casas e vilas operárias. No lugar da fábrica, surgiria, em 1945, o empreendimento imobiliário “Cidade-Jardim Laranjeiras”, um bairro residencial aristocrático, com abertura de ruas, lotes e um conjunto de mais de dez prédios. A essa altura, o Rio Carioca estava todo canalizado, bondes percorriam a Rua das Laranjeiras, o velho Túnel da Rua Alice fazia a ligação com o Rio Comprido e já existia o corte da Rua Pinheiro Machado ligando Laranjeiras a Botafogo (1909/1913).

Com a inauguração do Túnel Santa Bárbara em 1963, Laranjeiras virou rota de ligação entre as Zonas Norte e Sul, o que foi acentuado com a abertura do Túnel Rebouças em 1965, quando se iniciou um período de intensa produção imobiliária, com verticalização das áreas formais e favelização nas encostas. Hoje, o bairro ainda guarda belos prédios, mansões e locais pitorescos como o “Portugal Pequeno” (Rua Cardoso Júnior) e o Mercadinho São José.