Originalmente, a restinga arenosa abrigava a aldeia “Jaboracyá”, da tribo dos Tamoios. Suas terras pertenceram ao Engenho de Nossa Senhora da Conceição da Lagoa, de vários proprietários: Sebastião Fagundes Varela, Antonio Salema, Antonio Fagundes Varela e Rodrigo de Freitas Carvalho. Em 1808, a região litorânea passou para Aldonsa da Silva Rosa.

Marco do Rotary Avenida Vieira Souto
Marechal Josef Pilsudski Avenida Vieira Souto
Ruben Dario Avenida Vieira Souto
Viera Souto e Paulo de Frontin Avenida Vieira Souto
Tom Jobim Avenida Vieira Souto
Escultura em Aço Avenida Vieira Souto
Quadrado em Torção no Espaço Avenida Vieira Souto

Toda a área da atual Ipanema denominava-se Fazenda Copacabana que, em 1857, foi comprada pelo empresário Francisco José Fialho. Fialho dividiu sua propriedade em dois grandes lotes, um deles adquirido pelo Comendador José Antonio Moreira Filho, segundo Barão de Ipanema. Embora Ypanema, ou Ipanema, queira dizer, em língua indígena, “água ruim”, não indicada para natação ou pescaria, o nome não se referia ao bairro, mas a um rio paulista, em Iperó, e foi uma homenagem feita ao Barão e Conde de Ipanema pelo seu filho, o segundo Barão de Ipanema, que, em 1883, criou uma empresa de urbanização para erguer o novo bairro com o nome de o Loteamento Villa Ipanema. Seu sócio era Antonio José Silva e o autor do projeto era o Engenheiro Luís Raphael Vieira Souto. Para alavancar o empreendimento, foi fundamental que a linha de bondes se prolongasse de Copacabana, chegando a Ipanema, em 1902, com ponto final na Praça Floriano Peixoto, atual General Osório. Os bondes ainda circulariam pelo bairro até 1963.

Proteção Jardim de Alah
Mulher e o Felino Jardim de Alah
Almirante Saldanha Gama Jardim de Alah
Marechal Eurico Gaspar Dutra Jardim de Alah
Á Millôr Fernandes Largo Millôr Fernandes
Marco da Iluminação Largo Millôr Fernandes
Leões do Lions Parque Garota de Ipanema

Em 1894, o termo de fundação da Villa Ipanema previa 19 ruas e 2 praças. Foram abertas as Praças Floriano Peixoto (General Osório), Coronel Valadares (Nossa Senhora da Paz) e as ruas Prudente de Morais, Farme de Amoedo, Nascimento Silva, 20 de Novembro (Visconde de Pirajá), a avenida Vieira Souto, entre outras. Quando da morte do segundo Barão de Ipanema, assumiram a empresa Alberto de Campos e Manuel Pinto de Miranda Montenegro, que convidaram Raul Kennedy de Lemos para tocar a urbanização do Bairro. Daí surgiu a Companhia Construtora Ipanema, com o engenheiro Henrique Dumont, e novas ruas foram abertas e seus lotes vendidos, tornando realidade a Villa Ipanema. Em 1927, foram negociados todos seus terrenos.

Santa Sara Parque Garota de Ipanema
Garota de Ipanema Praça Garota de Ipanema
Oratório do Sagrado Coração de Jesus Praça Garota de Ipanema
Chafariz das Saracusas Praça General Osório
General Osório Praça General Osório
Jaguar Praça General Osório
Marechal Dutra Praça Grécia

Estava consolidado o bairro de Ipanema. A valorização imobiliária se tornou enorme, prédios de apartamentos tomaram o lugar das antigas residências e os gabaritos foram aumentados. Surgiam apart-hotéis e grandes centros comerciais na rua Visconde de Pirajá e, na década de 1970, Ipanema se tornou um bairro sofisticado, onde Sérgio Dourado construía espigões e os preços dos imóveis disparavam.

Interação Praça Nossa Senhora da Paz
Crianças brincando de roda Praça Nossa Senhora da Paz
Marco da Igreja Praça Nossa Senhora da Paz
Mário Pedrosa Praça Nossa Senhora da Paz
Menina e o Balão Praça Nossa Senhora da Paz
Paz Praça Nossa Senhora da Paz
Pinheiro Machado Praça Nossa Senhora da Paz

Ipanema serviu de inspiração para Tom Jobim e Vinicius de Moraes criarem a mundialmente famosa “Garota de Ipanema”. O charme dos seus bares, freqüentados por intelectuais e artistas, a praia da época do “Píer”, musas como Helô Pinheiro e Leila Diniz marcaram gerações. Ipanema ditava a moda de praia, onde predominava os biquínis e suas variações - tanga, asa-delta, fio-dental etc. O Bar Vinte, o Jangadeiro, o Zeppelin, o Castelinho, o Veloso (atual Garota de Ipanema), o Bofetada, a Sorveteria Morais, o Bar Lagoa, o Barril 1800, a Loja Company, a Dijon, a Feira Hippie da praça General Osório, entre outras referências, deram a Ipanema uma rica história de costumes e personagens que marcaram de forma destacada o bairro na cultura carioca.

Primavera Praça Nossa Senhora da Paz
Tartaruga Rua Anibal de Mendonça, 27
Netuno Rua Joana Angélica
Pintura Mural Rua Prudente de Moares, 266
Pintura Mural Rua Sadoch de Sá, 40
O Corneteiro Rua Visconde de Pirajá
Obelisco Rua Visconde de Pirajá

No carnaval, a Banda de Ipanema, fundada em 1965 por Albino Pinheiro e um grupo de amigos, lota as ruas de Ipanema com milhares de foliões, reunindo moradores, artistas, boêmios, músicos, musas espalhando alegria contagiante. A partir de meados da década de 1980, começa a se destacar também no bairro o Bloco “Simpatia é Quase Amor”.

Um dos principais marcos do bairro é a Ponta do Arpoador, com as suas pedras dividindo a Praia de Ipanema da Praia do Diabo. Um dos locais mais apreciados para admirar o pôr do sol e onde, no século XVII, se caçavam baleias com arpões, o Arpoador é uma das principais referências do surfe brasileiro. Foi nas ondas do Arpoador que o surfe começou a ser praticado no Brasil, ainda na década de 1950. Foi ali, também, que aconteceram as finais do primeiro Campeonato Brasileiro oficial de Surfe, em 1965.