O bairro teve início no alto de um desabitado outeiro à beira-mar, onde, em 1671, o Capitão Antônio Caminha ergueu uma ermida rústica em louvor a Nossa Senhora da Glória. No mesmo lugar, em 1714, surgiu uma igreja de pedra e cal, em forma poligonal, projeto do arquiteto José Cardoso Ramalho, a bela Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, uma jóia do barroco brasileiro, que ficou pronta em 1740, em terras doadas por Cláudio Gurgel do Amaral. Em baixo, na orla, havia plantações e um caminho precário em direção ao Catete, que passava pelo alagado Boqueirão da Glória, aterrado, mais tarde, para a construção do Largo da Glória. Ali desembocava um braço do Carioca, o Rio Catete.

Eduardo Tapajós Avenida Beira Mar
Murada da Glória Avenida Augusto Severo
Relógio da Glória Avenida Augusto Severo
Cardeal Arcoverde Jardim da Glória
Pedro Álvares Cabral Largo da Glória
João do Rio Largo da Glória
Força Aérea Brasileira Parque do Flamengo
As Três Forças Armadas Parque do Flamengo
Mortos da Segunda Guerra Mundial Parque do Flamengo
Harmonia Parque do Flamengo

No governo do Vice-rei Marquês do Lavradio, entre 1769 e 1779, foram feitas várias melhorias na área, como o alargamento do caminho para o Catete, guarnecido com uma grossa amurada para protegê-lo contra as ondas da Baía de Guanabara e a Fonte ou Chafariz da Glória, que trazia água do morro de Santa Teresa, e é tombado pelo patrimônio federal. A amurada foi ampliada e reforçada, em 1905, quando o Prefeito Pereira Passos a dotou da balaustrada de bronze e do relógio, ambos em estilo “Art Nouveau”. Pereira Passos criou, também, a chamada Rua Augusto Severo, precursora da Avenida Beira Mar.

Brigadeiro Eduardo Gomes Parque do Flamengo
Albero de Oliveira Praça Juarez Távora
Baden Powell Praça Juarez Távora
Escoteiro Praça Juarez Távora
Lasar Segall Praça Juarez Távora
Pereira Carneiro (Conde) Praça Juarez Távora
Rodolfo de Amoedo Praça Juarez Távora
São Francisco de Assis Praça Juarez Távora
São Sebastião Praça Juarez Távora
Teixeira Mendes Praça Juarez Távora

O Largo da Glória foi remodelado, em 1857, com a instalação de um cais com trapiche e do Mercado da Glória que, mais tarde, se transformou em um “cortiço” e foi demolido pelo prefeito Pereira Passos, e substituído por uma praça, a de Pedro Álvares Cabral. Próximo ao conjunto, ficava a Fábrica da City, com sua alta chaminé, onde o esgoto da Cidade era tratado e levado mar adentro, por barcos. Esse serviço foi inaugurado em 1864. Atualmente, o prédio da antiga City abriga a Sede da Sociedade de Engenheiros e Arquitetos do Estado do Rio de Janeiro – SEAERJ.

Eduardo Tapajós Praça Juarez Távora
Memorial Getúlio Vargas Praça Luis de Camões
Getúlio Vargas Praça Luis de Camões
Fonte do Monumento a São Sebastião Praça Luis de Camões
Marechal Deodoro da Fonseca Praça M. Deodoro da Fonseca
Afonso Celso Praça Paris
Afrânio Peixoto Praça Paris
Alfredo Agache Praça Paris
Almirante Barosso Praça Paris
Cândido Mendes Praça Paris

Ao pé do outeiro da Glória ficava a Praia do Engenheiro Russel, no Saco da Glória que, mais tarde, foi aterrado para fazer surgir a Praça Luis de Camões. Junto a ela foi construído, na década de 1920, o luxuoso Hotel Glória que hospedou e ainda hospeda presidentes e celebridades.

Carmem Gomes Praça Paris
Clovis Bevilacqua Praça Paris
Felinos Praça Paris
Fonte Ornamental Praça Paris
Francisco Adolfo de Varnhagen Praça Paris
Golfinhos Praça Paris
Inverno Praça Paris
Outono Praça Paris
Primavera Praça Paris
Reis e Silva Praça Paris

A Glória foi um bairro aristocrático no fim da monarquia: foi sede do poder eclesiástico que se localizava no Palácio São Joaquim. Também lá estava o do Templo da Humanidade, da Igreja Positivista e, em 1929, ganhou a Praça Paris, área de 48 mil metros, inspirada no paisagismo francês da “belle époque”.

Vera Janacopolus Praça Paris
Verão Praça Paris
Portão Praça Paris
Gradil Praça Paris
Chafariz da Glória Rua da Glória
Abertura dos Portos Rua do Russel
Quimera Rua do Russel
Rodolfo Amoedo Rua do Russel

As ruas Dona Luísa (Cândido Mendes) e Santa Isabel (Benjamim Constant) surgiram para a criação de um novo bairro residencial junto a Santa Teresa. Outro marco é o Hospital da Beneficência Portuguesa, fundado em 1840, para atender à numerosa comunidade lusa da Cidade.

A construção do aterro e implantação do Parque Brigadeiro Eduardo Gomes ou Parque do Flamengo, na década de 1960, fez com que a Glória incorporasse parte dessa extensa área de lazer, incluindo a Marina da Glória, o Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial e o importante Museu de Arte Moderna – MAM, projeto do arquiteto Affonso Eduardo Reidy. Também é destaque o recém instalado Memorial Getúlio Vargas na Praça Luis de Camões.