A origem desse bairro é um arraial às margens do Rio Catumbi (na linguagem dos índios, “água do mato escuro” ou “rio sombreado”), em vale fértil e verdejante, habitados por ricos proprietários de terras e escravos. As chácaras mais importantes eram a do Pinheiro, a da Floresta, a dos Coqueiros, e a do Souto. No alto do Catumbi, morava Inácio Corrêa, conhecido como “Papa-Couve”, onde fica o Morro do Fallet, e que deu nome ao antigo Rio Catumbi.

Chaminé Avenida 31 de Março
Portal da Casa de Correção Rua Frei Caneca
Chafariz do Lagarto Rua Frei Caneca
Chafariz Paulo Fernandes Rua Frei Caneca
Grande Arco Sambódromo

Entre o Catumbi e o Rio Comprido havia a Estrada do Catumbi (atual Itapiru), e no início dela foi implantado o primeiro Cemitério a céu aberto para não indigentes do Brasil, o Cemitério de São Francisco de Paula. A Rua do Catumbi foi aberta em 1850 pelo Comendador José Leite de Magalhães, e a do Chichôrro pelo Desembargador Chichôrro da Gama. A nova Igreja de N.S. da Salette foi construída a partir de 1918.

Com a inauguração do Túnel Santa Bárbara em 1963 e a posterior construção do elevado 31 de Março, o bairro do Catumbi foi dividido em dois. Imóveis e quadras inteiras foram demolidos e hoje parte importante do bairro se espreme entre os viadutos e o Morro da Mineira.