A Enseada de Botafogo era conhecida pelos franceses como “le Lac”, o Lago, por causa de suas águas tranqüilas. O primeiro a ocupar a área foi Antônio Francisco Velho, companheiro de Estácio de Sá na fundação da Cidade, em 1565, que recebeu do amigo, uma doação de terras. O batismo do lugar deu-se em 1580, quando Francisco Velho vendeu suas terras para sertanista português João Pereira de Sousa Botafogo.

Pedro Juan Cabellero Avenida das Nações
Marechal Cândido Rondon Avenida General Polidoro
Eça de Queiroz Avenida Lauro Sodré
Fonte Irmãos Ramos Pinto Avenida Lauro Sodré
Simon Bolívar Avenida Lauro Sodré
Stuart Angel Avenida Pasteur
Lâmina Larga em Torção no Espaço Avenida Pasteur, 154

Em 1680, destacou-se a figura de Dom Clemente José de Matos, o Vigário Geral, dono de uma propriedade que abrangia toda a região: da praia até a Lagoa Rodrigo de Freitas. A frente da chácara, que dava para a enseada de Botafogo, ocupava toda a área entre as atuais ruas Voluntários da Pátria e Marquês de Olinda. Em 1657, Dom Clemente abriu, em suas terras, um caminho que ligava a praia até uma Capela em louvor a São Clemente e foi a origem da atual rua São Clemente.

Mãe Avenida Rui Barbosa, 716
Manequinho Avenida Venceslau Brás
Michael Jakcson Morro Dona Marta
Mosaico Morro Dona Marta
Coreto Estrela Parque do Flamengo
Yitzahak Rabin Parque Yitzahak Rabin
Bocage Praça Bariloche

Até o século XVII, a região era apenas uma ligação entre o Catete e o Forte de São João, na Praia Vermelha. No início do século XIX, a região ainda era considerada rural e pertencia à Freguesia de São João Batista da Lagoa, criada por Alvará Régio, em 1809, a primeira em terras brasileiras criada pessoalmente pelo Príncipe.

Com a chegada de D. João VI, em 1808, foram erguidas grandes mansões, em frente à enseada, que atraíram a atenção da corte, de ricos comerciantes e do corpo diplomático credenciado junto à corte, que nelas se instalaram ou as usavam como casa de veraneio. A própria Dona Carlota Joaquina, esposa de Dom João, mandou construir uma casa na Praia de Bofatogo, esquina do Caminho Novo, atual rua Marquês de Abrantes.

Chaim Weizmann Praça Chaim Weizmann
General José Artigas Praça Chaim Weizmann
Fleming Praça Frederico Ozanam
Frederico Ozanam Praça Frederico Ozanam
Almirante Tamandaré Praça Marinha do Brasil
Chafariz Praça Marinha do Brasil
Painel de Paulo Werneck Praça Natividade Saldanha, 19

Botafogo começa, então, a adensar, atraindo ricos aristocratas que erguem ali seus palacetes, transformando, pouco a pouco, o Bairro na região mais seleta da Cidade. Nessa época os principais caminhos de Botafogo eram o do Berquó (atual Gal. Polidoro), o de Copacabana (atual Rua da Passagem) e o de São Clemente. Em 1825, foi aberta a Rua Voluntários da Pátria, depois a Real Grandeza, por Joaquim Marques Leão, na década de 1850, foram feitas as Ruas Dona Mariana, Sorocaba, e Delfim (atual Paulo Barreto). As terras vão sendo ocupadas por ricos e nobres, posteriormente, pelos barões do café e grandes comerciantes, com suas magníficas residências, construídas principalmente na Rua São Clemente. A região passa então a ser conhecida como “Green Lane” (Faixa Verde), devido à sua beleza.

Carlos Chagas Praça Nicaraguá
Chafariz Praça Nicaraguá
Oswaldo Cruz Praça Nicaraguá
Somoza Praça Nicaraguá
Aurora Praia de Botafogo
Fonte (Almirante Tamandaré) Praia de Botafogo
Hahnemann Praia de Botafogo

A Igreja da Matriz de São João Batista, a mais antiga (1831), torna-se uma das referências locais. Nessa época, a Enseada de Botafogo era palco de competições de regatas, promovidas pelo Marquês de Abrantes, partindo da Fortaleza de São João até chegar defronte ao Solar do Marquês, como juízes do evento, personalidades históricas. Botafogo sofria muito com inundações na época de temporais, os Rios Berquó e Banana Podre provocavam alagamentos que deixavam intransitáveis as ruas do Bairro, problema que só viria ser resolvido nas décadas de 1960/70 com obras de canalização e drenagem. Mas o fator mais efetivo para o crescimento da região foi o advento do transporte marítimo de passageiros. Em 1843, um serviço de barcos a vapor passa a ligar o bairro de Botafogo ao Saco do Alferes, no Centro (atual bairro de Santo Cristo). Em 1844, outra companhia inicia a ligação da Enseada de Botafogo à Ponta do Caju, próxima à Quinta da Boa Vista. O dinamismo do bairro atrai também populações não aristocráticas e suas ruas internas são ocupadas por imigrantes e pessoas menos abastadas, que construíam casas modestas e lojas de pequeno comércio.

Marco do Pão de Açucar Praia de Botafogo
Poesia das Ruínas Praia de Botafogo
Vaso e fonte ornamental Praia de Botafogo
Carvalho de Brito Praia de Botafogo, 1204
Crepúsculo Praia de Botafogo, 212
Bartolomeu Mitre Praia de Botafogo, 212
Marco do Espaço Pablo Neruda Praia de Botafogo, 212

Inaugurado pela Santa Casa de Misericórdia em 1852, o Cemitério São João Batista representa um marco histórico para a Cidade, por ter sido um dos primeiros cemitérios sem distinção de classes. O sistema de iluminação a gás é inaugurado em 25 de março de 1854, substituindo o antiquado e dispendioso sistema a óleo de baleia. Em 1867, o aristocrático bairro ganha a Companhia de Barcas Ferry, que oferece em suas linhas - com dois atracadouros, um dos quais em frente à rua São Clemente - um serviço de transporte hidroviário proporcionado por velozes e elegantes embarcações. A reformada Matriz de São João Batista da Lagoa, na Rua Voluntários da Pátria, é inaugurada em 1875. Na segunda metade do século XIX, o perfil do Bairro delineia-se através de suas ruas, com os donos das fazendas desmembrando suas propriedades em chácaras e sítios, abrindo ruas posteriormente entregues ao Município. A abertura do Túnel Velho, em 1892, possibilita a chegada das linhas de bonde até Copacabana.

Módulo Rio Praia de Botafogo, 228
Maternidade Praia de Botafogo, 246
Juruena de Matos Praia de Botafogo, 428
Chafariz Rua Assunção, 2
Higia Rua Assunção, 2
Primavera Rua Assunção, 2
Vaso Rua Assunção, 2
Marechal Ramón Castilha Rua Lauro Müller
Francisco Morazam Rua Professor Álvaro Rodrigues

Em 1906, com a reforma urbana do Prefeito Pereira Passos, um amplo comércio começa a se implantar, os serviços expandem-se e muitas das suas imponentes mansões são então ocupadas por embaixadas, consulados, colégios e, mais tarde, por clínicas, restaurantes e sedes de empresas. Pereira Passos ampliou a Avenida Beira-Mar na orla da Praia de Botafogo, dotando de jardins, larga e arborizada, no estilo “Promenade”, em 1905, mantendo o nome de Praia de Botafogo.

Rui Barbosa Rua São Clemente, 228
Ceres Rua São Clemente, 360
Marte Rua São Clemente, 360
Mercúrio Rua São Clemente, 360
Minerva Rua São Clemente, 360
Vasos ornamentais Rua São Clemente, 360
Venus Rua São Clemente, 360

Em 1894 foi fundado o Club de Regatas Botafogo e no ano de 1904, o Botafogo Football Club, a união das duas agremiações se daria em 1942, nascendo o tradicional Botafogo de Futebol e Regatas, o “Glorioso”. No início do século XX, Botafogo passou a ser habitado por operários, artesãos, comerciantes, etc, fazendo surgir habitações coletivas, cortiços, muitas vilas, na década de 1920 surgem novas ruas definindo a urbanização de Botafogo. A inauguração do metrô e a escassez de terrenos e áreas disponíveis na Zona Sul promovem, a partir da década de 80, a redescoberta do Bairro, estimulando novos lançamentos imobiliários. Hoje, o Bairro tem a segunda maior população da Zona Sul.

A Favela Santa Marta, originada na encosta do Colégio Santo Inácio, passa por obras de reurbanização. Destacam-se o Shopping Center do Rio Sul e sua Torre de 44 andares com 164 mts, o Rio Plaza Shopping, o Botafogo Praia Shopping (antiga Sears), a casa de shows Canecão, o Centro Empresarial Rio, o Centro Empresarial Mourisco, o Mirante do Pasmado, o Prédio da UFRJ (antigo Hospital dos Alienados), a Casa de Rui Barbosa, diversos restaurantes, grandes empresas, e o imponente Palácio da Cidade, sede da Prefeitura construído em 1937, antiga Embaixada da Inglaterra, comprada em 1975 pelo Governo Municipal.