A região original era composta de alagadiços que se estendiam da Baía de Guanabara até a região da Praia Pequena. Por ela passava a Estrada Real de Santa Cruz, vinda do Largo da Cancela, em São Cristóvão, e que corresponde às atuais Ruas São Luiz Gonzaga e Avenida Dom Hélder Câmara (Suburbana).

Cooperativismo Largo do Cooperativismo
Fonte Stella Largo do Pedregulho
Painel Azulejar Jogos Infantis Largo do Pedregulho
Painel Rubem Dario Largo do Pedregulho
Á Bíblia Praça Getúlio Vargas

A principal via local era a Rua da Alegria (atual Prefeito Olímpio de Melo), que seguia até o Caju. No Largo do Pedregulho fica a “Fonte da Medusa”, também chamada de “Bicão”, confeccionada em ferro fundido, com base na escultura do artista francês Henri Frédéric. No trecho da Estrada Real correspondente à Rua São Luis Gonzaga, as pessoas paravam para dar água aos cavalos.

Getúlio Vargas Praça Getúlio Vargas
Painel Mural Praça Natividade Saldanha, 19
Escrava Anastácia Praça Pedro Souza
Oratório à São Jorge Praça Pedro Souza
Marco do Viaduto Rua Prefeito Olímpio de Melo

Um dos marcos do bairro é o Hospital Central do Exército, adquirido ao Jóquei Club em 1892, com seus três primeiros pavilhões, inaugurados em 1902, e o Pavilhão Central Floriano Peixoto, em 1913. Destacam-se também o Mercado CADEG, que comercializa produtos agrícolas vindos do interior do Estado com 420 lojas e intensa movimentação noturna, e o Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes - ou do Pedregulho - projetado pelo arquiteto Afonso Eduardo Reidy e construído em 1947, considerado patrimônio histórico e arquitetônico.

O Bairro abriga o famoso Bar Adônis, o atual pólo de iluminação na “Rua do Lustre” (Senador Bernardo Monteiro), indústrias, conjuntos habitacionais e as comunidades Vila Arará, Herédia de Sá, Mal. Jardim, entre outras.