A região compreendida entre as fraldas da serra da Mantiqueira e as da serra do Mar era, até o início do século XVIII, habitada por índios puris e arrais, mais conhecidos por coroados, embora bandeirantes paulistas já a houvessem palmilhado, a procura de caminho mais curto para os sertões de Cataguases.

Em 1728, Luís Monteiro, governador do Rio de Janeiro, ordenou abertura de uma estrada para São Paulo. O paulista Simão da Cunha Gago fundou, em 1744, o povoado de Nossa Senhora da Conceição do Campo Alegre da Paraíba Nova (atual Resende). Para a passagem da que mais tarde seria a estrada Rio - São Paulo, estabeleceu-se a ligação entre os desbravadores vindos do Rio de Janeiro, de Piraí e de Barra do Piraí e os sulistas de Nossa Senhora da Conceição.

Embora coubesse ao vice-rei D. Luís de Vasconcelos e Souza iniciar o povoamento da Capitania do Rio de Janeiro, foi a partir do início do século XIX que foram concedidas sesmarias a Domingos José Pereira Guimarães (1801), Manuel Joaquim da Silva Castro e padre José da Silva Brandão (1804), capitão José Pedro Vieira Ferraz (1813), tenente Antônio Carlos Vieira Ferraz e Manuel Joaquim Salgado (1826).

Com a concessão de sesmarias tiveram começo os trabalhos agrícolas. Surgiram as primeiras fazendas denominadas São João Batista, Três Poços, Santa Teresa, Santa Cecília, Belmonte e outras. Foi a próspera fase cafeeira. O moroso transporte em carros de boi foi substituído pelo fluvial, improvisando-se um porto, em 1864. Em torno dele, construíram-se as primeiras edificações, destinadas ao pouso de tropas, comércio e residências, formando o núcleo do povoado de Santo Antônio da Volta Redonda, no lugar onde o rio Paraíba faz curva quase fechada. Em 1864, completado

o trecho da Estrada de Ferro Central do Brasil até Barra do Piraí, fizeram-se estudos para prolongá-lo até Barra Mansa.

Os fazendeiros de Volta Redonda pleitearam e conseguiram uma estação no percurso, tendo, para isso construído uma ponte de ligação entre as margens do Paraíba. A inauguração da ponte e a da estação tiveram lugar em 1871, ano em que também foi inaugurada a Agência dos Correios e Telégrafos. Duas escolas, mantidas pelo Governo da Província, foram criadas em 1874. Outras, mantidas pela Câmara Municipal de Barra Mansa, instalaram - se pouco depois. Data de 1874 a concessão da primeira linha de bondes e de 1883 a da segunda. A primeira leva de colonos açorianos chegou em 1887.

A partir de 1897, fazendeiros mineiros dedicados à pecuária, aos quais não prejudicara a povoação do braço escravo, passaram a adquirir os abandonados cafezais, para transformá-los em fazendas de criação de gado. Iniciava-se a era da pecuária, que foi, durante cerca de 40 anos, fator preponderante da economia de Volta Redonda.

Em 1897, inaugurou-se o trecho ferroviário da Estrada de Ferro Oeste de Minas, que cortava Volta Redonda em direção à fronteira de Minas Gerais.

A mais antiga indústria do então povoado foi o Engenho de Açúcar e Aguardente (hoje desaparecido), fundado em 1901. Ainda existe a fábrica de produtos cerâmicos, instalada em 1924. Mas a fase industrial propriamente dita se iniciou com a Siderúrgica Nacional, a partir de 1941.

Chaminé do engenho de açúcar

Situado junto ao viaduto Nossa Senhora das Graças foi construído inicialmente para fazer parte das instalações do engenho de açúcar, o prédio do engenho foi demolido, porém a chaminé foi mantida por ter sido considerada marco histórico da cidade.

Escultura "Multidões"

Na Ilha São João composta por dois grandes murais com 36 metros cada um, representando duas multidões, uma olhando para a outra na visão do autor. Foram confeccionados com vigas, vergalhões e chapas de aço, com figuras exóticas, que apresentam um ligeiro movimento provocado pelo vento, nas cores predominantesna cidade.

Escultura "O arigó"

Instalada em frente ao Escritório Central da CSN em comemoração aos 50 anos da empresa, mede cerca de 12 metros de altura em aço corten, da própria CSN, e é uma homenagem aos operários que trabalharam na construção da Usina.

Igreja de Santo Antônio

Em 1880 foi construída uma capela tipicamente portuguesa de estrutura pequena e não comportava o número de devotos do Santo Padroeiro da cidade. Este fato fez com que em 1955, a capela fosse demolida para iniciar a construção da atual Igreja.

Memorial e Escultura Zumbi dos Palmares

Situado na Vila Santa Cecília, é composto por um anfiteatro e um salão de exposições. Sua utilização é voltada para manifestações da cultura negra e outros eventos da cultura geral. A escultura em homenagem a Zumbi dos Palmares foi concebida a partir de um concurso público realizado em 1989 pela Secretaria Municipal de Cultura. A escultura é composta por três peças de aço produzidas pela CSN.

Memorial Getúlio Vargas

Para eternizar a memória de Getúlio Vargas, o Memorial mantém a Exposição Permanente Getúlio Vargas que oferece a população a oportunidade de conhecer um pouco mais da história de uma das figuras mais ilustres o período republicano no País. Na exposição, poderão ser vistos objetos pessoais que pertenceram a Getúlio Vargas além de esculturas, fotos e painéis ilustrativos.

Monumento 500 anos

Localizado na praça Sávio Gama, bairro Aterrado, foi inaugurado em abril deste ano, durante as comemorações pelos 500 anos do descobrimento do Brasil. que deu origem ao nome da cidade. Nele também podem ser encontradas informações sobre a história do município. Foi inaugurado durante as comemorações do aniversário de Volta Redonda em julho de 1999.