O mais antigo documento que existe, fazendo referência ao "povoado e sertão", situados por detrás da serra dos Órgãos, é uma planta levantada por ocasião da "viagem feita a essa serra pelo Dr. Baltazar da Silva Lisboa, Juiz de Fora do Rio de Janeiro, ordenada pelo Ministro e Secretário dos Negócios Ultramarinos, em 1788". Contém a descrição da serra e uma pequena notícia sobre o "sertão", onde vem assinalada a cascata do Imbuí. Nada de notável havia, além da estrada de penetração partindo de Piedade (litoral), galgando a serra e seguindo para o verdadeiro sertão.

Teresópolis tornou-se conhecida depois que ali se estabeleceu o súdito inglês George March (nascido e educado em Lisboa), que adquiriu uma sesmaria de 4 léguas quadradas, na serra dos órgãos, anteriormente a 1821.

Com fazenda de criação e cultivo de cereais March, antigo negociante no Rio de Janeiro localizou a sede da fazenda no Alto, o campo das éguas na Várzea, as lavouras no Quebra-frascos e no Imbuí e em Antônio José, os potros e novilhas. Morando em residência confortável, convidava patrícios e amigos a fazerem-lhe companhia na estação calmosa, começando, assim, o hábito do veraneio na serra.

A segunda doação de terras foi feita por D. João VI ao Tenente Joaquim Paulo de Oliveira (filho de José Joaquim da Silva Xavier, o Tiradentes), como prêmio pelos bons serviços prestados ao rei: uma "posse" no vale do córrego Antônio José, nas proximidades da cascata do Imbuí, deu o nome a todo aquele vale.

A região era alcançada, primeiramente, pela estrada Magé-Sapucaia, via Canoas, mas, depois de abandonado o trecho de Socavão, passou a ser atravessada pela nova estrada da serra dos Órgãos, caminho preferido para o Pôrto da Piedade e o mais curto para a Corte.

Data de 1845, quando faleceu George March, o começo da povoação, pela divisão da propriedade entre seus herdeiros que, por sua vez, a retalharam e venderam em fazendas menores, sítios e lotes.

Todas essas terras que constituíram a sesmaria March, depois Fazenda dos Órgãos e Fazenda March, voltaram, com pequenas exceções no Quebra-frascos, no Imbuí e na Posse (que couberam aos descendentes do Tenente Joaquim Paulo), a centralizar-se nas mãos de um único proprietário " Companhia Estrada de Ferro Teresópolis", conforme contrato de construção da estrada de ferro e da cidade de Teresópolis, lavrado a 16 de julho de 1890.

A construção da estrada de ferro e da cidade prendia-se ao desejo do governo do Estado do Rio de Janeiro em transferir a capital estadual para este local. Tais planos, porém, não foram realizados, e outra vez a propriedade é desmembrada e retalhada, resultando a cidade atual. Do que fora previsto no plano, somente a criação do Município efetivou-se a 6 de julho de 1891.

Acredita-se que a denominação de Teresópolis, dada à povoação, tenha sido em homenagem à Imperatriz D. Teresa Cristina.

A construção da estrada de ferro, que havia sido tentada em 1872, foi realizada pelo engenheiro José Augusto Vieira, sucessor da primitiva, Cia. Estrada de Ferro Teresópolis, e inaugurada a 19 de setembro de 1908, exatamente 13 anos depois de iniciados os trabalhos. Tornou-se mais tarde obsoleta com o advento das boas rodovias e hoje não mais existe.

Busto da Imperatriz Tereza Cristina

O Busto é uma homenagem do povo de Teresópolis a Imperatriz Tereza Cristina, em 06 de Julho de 1967. O busto de bronze está sobre um pedestal esculpido em madeira maciça e foi a municipalidade pelo Ginásio Tereza Cristina.

Busto de Afranio de Mello Franco

O Busto de Afranio de Mello Franco está localizado em um dos canteiros da Praça Higino da Silveira, no Bairro do Alto. É todo de bronze, e tem como descrição principal, o agradecimento honrado ao Ministro de Estado, pelos serviços prestados ao povo teresopolitano.

Busto Feliciano Sodré

O Busto é uma homenagem da Cidade de Teresópolis a Feliciano Sodré, por ocasião do centenário de seu nascimento, em 30 de Setembro de 1981.
Av. Feliciano Sodré, no canteiro central , em frente à Prefeitura Várzea.

Busto George March

O Busto de George March está localizado em um dos canteiros gramados em frente ao prédio da Câmara Municipal. O Busto é em bronze, de 0,50 m. e o pedestal em cantaria com cerca de 1,00 de altura. GEORGE MARCH foi o colonizador de Teresópolis e seu busto foi inaugurado em 21 de Abril de 1981.

Busto Roberto Silveira

O Busto de Roberto Silveira está localizado em um dos canteiros em frente à Praça Olímpica Luís de Camões. O Busto é em bronze e tem como descrição principal, o agradecimento do povo de Teresópolis ao Governador Roberto Silveira.

Casa-Sede da Fazenda Vista Alegre

A casa-sede tem sua data de construção da primeira metade do século XIX, do ano de 1812, construída em terreno doado por D. João VI por carta sesmaria.

Colégio Estadual Euclydes da Cunha

Primeiro educandário do Governo Estadual a funcionar em Teresópolis, suas obras foram concluídas em 19 de Março de 1918.Prédio em estilo francês, com portas e janelas em pinho de Riga e piso de peroba rosa. Possui além de salas de aula, salão, três quartos, três saletas, duas cozinhas, banheiros, sala de estar e copa.

Escola Estadual Higino da Silveira

Em estilo neoclássico, data da primeira metade do século XX, ano de 1923, e sua edificação se deve a Manuel Lebrão, que mandou construir e mobiliar o prédio para abrigar uma escola, em homenagem a Higino da Silveira, seu amigo e presidente da Câmara Municipal de Teresópolis. Depois de construído foi doado ao Governo Municipal, tendo sido inaugurado em 26 de Fevereiro de 1926.Possui na fachada principal, colunas gregas em alvenaria, escadaria em cantaria e portão principal com grades em ferro batido.

Marco do Centenário

O Monumento é todo em mármore e foi erguido em comemoração ao 1º Centenário de Teresópolis. Inaugurado em 06 de Julho de 1991, no governo do então Prefeito Mário de Oliveira Tricano, em agradecimento aos homens e mulheres teresopolitanos que com seu trabalho legaram-lhe esta cidade. É um projeto dos arquitetos Roque Lamenza Neto e Ubiratan da Silva R. de Souza, escolhido num concurso realizado pelas comemorações do Centenário, e tem como descrição a seguinte frase: "O esforço dos que passaram garante o sucesso dos que virão".

Matriz de Santo Antônio de Paquequer

primeira capela, erguida no local, data de 1861. Em 1880, a matriz encontrava-se em ruínas, quando se iniciou então a construção da atual. Em 16 de novembro de 1933, era consagrada a nova Matriz de Santo Antônio do Paquequer, existente até hoje. A igreja foi construída e doada pelo grande benfeitor da cidade, o Sr. Henrique Willnott Slefer, em nome de sua esposa, Odonia Slefer. A parte decorativa - mosaicos, via sacra e imagens - é de autoria do escultor Grassmann.

Montebello Medieval

O Castelo Montebello de Medieval possui traços que remontam épocas vividas pelos senhores, os quais erguiam ainda a bandeira do feudalismo. O Castelo foi palco para as aventuras da Jovem Guarda como também serviu para muitas confraternizações da alta sociedade local. Moradores revelam que os turistas se sentem hipnotizados pela sua beleza, o que os leva até aos contos de fada - através da imaginação.

Com exceção de suas belezas externas, onde predominam as suas paredes adornadas com pó de pedras idênticas à época medieval, o seu interior já passou por muitas modificações, sem alterar o seu estilo. O piso, que era de madeira corrida, fora substituído pelo de sintético, principalmente suas escadas. Os lustres deram espaços a filetes de luz fluorescente.

No demais, todo seu perfil está conservado até o segundo andar as escadas tomam forma em ""V" e nos conduzem às salas e cômodos. São exatamente três andares de beleza e imaginação. As principais portas que dividem os cômodos são trabalhados em bronze e revelam a beleza de seus vitrais os quais compõem a beleza interior. No adro do castelo registra-se uma plaqueta de inauguração do monumento, a sua história e com ela os seus personagens.

A beleza natural cerca o Castelo. São árvores gigantescas e flores que tomam corpo diante de uma visão minúscula no centro de Teresópolis. A visitação não se faz permitida, porém, a população resiste contando casos mal-assombrados registrados naquele monumento. São cenas fantasiosas que vez ou outra estão presentes na imaginação daqueles que ouviram de outros narrações de medo e pavor.

Monumento à Cidade de Teresópolis

O Monumento é um agradecimento ao Governador Francisco Portela, na então gestão do Prefeito José Carvalho janotti. Tem como descrição o Decreto nº 280 de 06 de julho de 1891, data da criação do Município de Teresópolis.

Paço Municipal / Palácio Teresa Cristina

O prédio, onde funciona a Prefeitura, possui linhas em estilo colonial e é um dos mais bonitos da cidade de Teresópolis. Tem sido palco de vários movimentos políticos, culturais, artísticos e cívicos. O prédio por indicação da Câmara Municipal, passou a ser denominado Palácio Teresa Cristina.

Palacete da Quinta Lebrão

Palacete Quinta Lebrão está localizado à Rua Manoel Lebrão, assim denominada para homenagear a quem muitos serviços prestou a cidade. O terreno tem vasta área plana e o palacete foi construído na parte mais alta do mesmo, permitindo uma visão panorâmica de todo o terreno e da rua, que ao lado direito é composta de casas residenciais e do esquerdo, da área da Quinta Lebrão. A vegetação é composta por árvores nativas e centenárias que aumentam o valor histórico do prédio.

O acesso ao Palacete se faz através de estreita estrada de calçamento em pé-de-moleque, cercada por muros de pedra bruta, construída por mão de obra escrava. Manoel José Lebrão, imigrante português, instalou no Rio de Janeiro, com seu sócio Joaquim Borges de Meirelles, a mais famosa confeitaria do Brasil - a decantada "Colombo", localizada na Rua Gonçalves Dias. Em março de 1902 adquiriu o prédio número 03, da Estrada da Ermitage, prolongamento da Rua Jaguarão, Freguesia da Santo Antônio de Paquequer, em Teresópolis. Existia no local, velha casa de Fazenda, posta abaixo para a edificação do Palacete da Quinta Lebrão, que tomou seu nome.

A essa chácara, foi agregando ao longo tempo, muitas outras áreas para o lado das montanhas, até formar a propriedade que destinou à plantação de marmeleiros da melhor qualidade, de cujos frutos retirava a polpa para a frabicação de então famosa marmelada à moda portuguesa, vendida na "Colombo". Em estilo neo-clássico francês, com grande requinte para a época, o atrativo compõe-se de vários cômodos pintados em afresco. No salão principal destaca-se o teto, em gesso estuque adornado com roseiras em flor. O Palacete não foi conservado, porém ainda guarda em seu acervo, valioso mobiliário da época. Tendo em vista a deterioração da obra e atendendo aos apelos da população, a Prefeitura Municipal tenta adquirir parte dessa gleba, por se tratar de um patrimônio histórico da cidade e apropriado local para a instalação do Museu e Parque da cidade.

Palacete Granado - Atual Sesc

Saindo da Prefeitura Municipal, localizada à Av. Feliciano Sodré, segue-se pela Av. Lúcio Meira, Av. Delfim Moreira, onde nesta está situada o atrativo. O Palacete é circundado por casas residenciais e comerciais e fica próximo ao Shopping Várzea. O Palacete foi construído para moradia do Sr. José Antônio Coxito Granado, imigrante português, que fundou e dirigiu no Rio de Janeiro a "Drogaria Granado", além do primeiro laboratório de análises. No princípio do século, o comendador José Granado, descobriu Teresópolis, onde transformou imensa área em chácara-modelo, desenvolvendo a floricultura, policultura, especialmente os vinhedos e as plantas medicinais.

Neste local foi construído o Palacete em 1913. Depois da morte do comendador, em 1935, passou a funcionar em sua antiga residência o Colégio Teresa Cristina, no período de 1940 a 1976, hoje está servindo de sede cultural do SESC. O Palacete, em estilo francês, possui construção em pedra, cal e tijolos, cobertos de telhas, assoalhado, com porão onde encontra-se salas e uma cantina na parte superior da casa uma grande varanda no lado direito, outra no lado esquerdo.