Os primeiros registros de ocupação do território que hoje compõem o Município de Cachoeiras de Macacu datam do final do século XVI. Aproveitando a fertilidade natural dos solos, desenvolveram - se cultivos de mandioca, milho, cana de açúcar, arroz e feijão, num pequeno núcleo agrícola instalado ao redor da antiga capela de Santo Antônio, denominado Santo Antônio de Casseribu. Este núcleo inicial foi elevado à Vila em 15 de maio de 1679, com o nome de Santo Antônio de Sá, criando - se, ao mesmo tempo, o Município do mesmo nome.

Entre 1831 e 1835, por conta de uma febre endêmica, conhecida como "Febre de Macacu", houve grande perda de vidas e um significativo processo de êxodo rural, desorganizando as atividades produtivas, levando o Município a uma série de crises. Em 1868, a sede municipal foi transferida do núcleo original para a freguesia de Santíssima Trindade de Sant'Ana de Macacu, posteriormente denominada Sant'Ana de Japuíba.

Até 1930, além das lavouras de subsistência, Cachoeiras de Macacu dependia diretamente das atividades da oficina da Estrada de Ferro que se aproveitava da localização do Município, usando - o como local de transbordo para a subida da serra .Essa função a Cidade iria perder no período pós - guerra, quando o ramal ferroviário de Cantagalo foi desativado.

Uma mudança significativa ocorreu no Município no início da década de 40, a partir de experiências de distribuição de terras para assentamento de colonos deslocados das áreas de citricultura da baixada fluminense. Estes formaram as colônias agrícolas de Japuíba e Papucaia.

Firmando - se na atividade agropecuária, o Município de Cachoeiras de Macacu, hoje já começa a sofrer os efeitos do avanço da metrópole, na medida em que suas terras passam a ser procuradas como área de Sítios de lazer, bem como já se esboça a expansão de loteamentos nos limites com Itaboraí.

Igreja de Sant`Ana

Toda a área da matriz construída e o pátio foi o antigo cemitério dos brancos da localidade, pois o cemitério dos escravos era fora da localidade. A igreja Matriz da Paróquia de Sant'Ana foi construída em 1646, em meados do século XVII, ainda no tempo dos padres jesuítas. A região de Japuíba abrangia as terras das sesmarias, doadas por Mem de Sá a Miguel de Moura em 1567, sendo pelo ano de 1571 doada aos padres jesuítas, de conformidade com dados levantados nos livros de arquivo da Paróquia. A igreja compreende: a nave, pórtico, coro, batistério, uma porta de frente, duas laterais, altar entalhado de madeira, púlpito na parte lateral esquerda do corpo da igreja (acesso pelas dependências da própria matriz). O teto é forrado de gesso, ainda original, as paredes são de pedras sobrepostas, ligadas umas as outras por liga desconhecida. Sua espessura mede mais de 1m. Existe uma escada de pedra em caracol, que dá acesso ao púlpito da Igreja e a casa residencial dos padres.

Igreja do Sagrado Coração de Jesus

Em 1936, após a demolição da antiga capela de Nossa Senhora da Conceição a Igreja foi construída e inaugurada em 1938. Mantendo características de sua estrutura da época colonial . Uma escada em caracol conduz ao coro e daí para a torre. Sua sacristia é semicircular. Praça Duque de Caxias.

Parque Estadual dos Três Picos

Com 46.350 hectares (463,50 quilômetros quadrados), o Parque Estadual dos Três Picos Maior é a maior unidade de conservação ambiental do grupo de proteção integral do do Rio de Janeiro, tendo sido criado para preservar extensa porção de matas em excelente estado de conservação na Região Serrana do estado, naquele que é conhecido como o “Corredor da Serra do Mar.

Prédio do Antigo Grupo Escolar Quintino Bocaiúva

Construído na primeira metade do século XX, em estilo neoclássico. Foi erguido para abrigar o Grupo Escolar Quintino Bocaiúva, que foi posteriormente transferido para um local mais espaçoso. Possui várias salas, sendo o piso e o forro em pinho de riga, com destaque para suas belíssimas escapadas. Hoje funciona no prédio a secretária municipal de educação, cultura, esporte e lazer.

Prédio do Fórum

Construído na primeira metade do século XX. Foi totalmente reformado sendo seu interior descaracterizado, embora sua fachada tenha sido mantida.
É em estilo neoclássico, sendo juntamente com o prédio do grupo escolar Quintino Bocaiúva e o dos Correios, os únicos do município com estilo arquitetônico definido.

Ruínas da Igreja da Santíssima Trindade

Construída em 1737, onde foi sede da freguesia de trindade durante muitos anos

Ruínas da Igreja de São José da Boa Morte

As ruínas encontram-se à beira da estrada de São José da Boa Morte. Possui em seu entorno vegetação de gramíneas, além de árvores de pequeno porte. Ao fundo, a paisagem compõem-se de vegetação de mata densa, fazendo com que as ruínas se destaquem. O que resta da construção está parcialmente destruído pela ação do tempo e apresenta parasitas que se desenvolveram por toda a sua extensão, tornando o local interessante pelo aspecto selvagem que adquiriu. O frontispício é composto por frontão triangular, marcado por um óculo, 3 janelas e um portal trabalhados com cantaria de pedra. Do interior da ruína só restou o piso em tijolão. Sua construção data do século XVII e foi construída em 1612 pelos jesuítas. Ocupa uma área de aproximadamente 150 m2. A igreja de São José da Boa Morte representa um marco histórico na vida do município. Estrada de São José da Boa Morte.