Numa área de apenas 22.000 km2, o Estado de Sergipe reúne atrações para todos os visitantes. Tem opção para quem busca o sossego, para quem é louco por aventura, para quem procura diversão e lazer, e até para quem quer conhecer a história da região.

- Cidade de São Cristovão

Sua capital, Aracaju, foi a primeira cidade planejada do Brasil. As largas avenidas e a arquitetura moderna fazem do local um importante centro urbano, mas isso não a fez perder a atmosfera de tranqüilidade. A qualidade de vida é um dos motivos de orgulho de seus habitantes.

Aracaju também é famosa por sua orla. São 30km de litoral, com as lindas praias da Coroa do Meio, Atalaia, Aruana, Robalo, Náufragos, Refúgio e Mosqueiro, onde o prazer é alternar o agradável banho em águas mornas com os deliciosos petiscos feitos de frutos do mar. Entre outras atrações, a cidade oferece também um Centro Histórico, com antigas edificações datadas do início de sua construção.

Quem decidir explorar os 173km de praias do Estado vai se deparar com verdadeiras maravilhas naturais. Coqueirais, dunas, lagoas, matas virgens e manguezais são algumas das paisagens que vão tornar o passeio uma experiência inesquecível.

As Praias do Saco, Abaís, Pontal, Terra Caída, Caueira e a Ilha do Sossego reúnem toda a beleza da Costa das Dunas, no litoral Sul. No litoral Norte, a Costa dos Manguezais abriga uma região de praias inexploradas, como a de Ponta dos Mangues, no município de Pacatuba, e a de Pirambu, que abriga uma das bases do Projeto Tamar e a Reserva Ecológica de Santa Isabel.

O litoral é fascinante, mas nem só de praias vive o turismo no Estado de Sergipe. São famosas também suas festas de São João, como a de Estância, que dura 40 dias seguidos; e a de Areia Branca, município que possui um “forródromo” com 50 mil m2.

Quem preferir a água doce, pode conhecer o Cânion do Xingó, formado por muralhas rochosas que atingem até 50 metros de altura, ou navegar pelo Rio São Francisco, partindo do município de Brejo Grande, a 137km da capital, e encerrando o passeio em sua foz, num belíssimo encontro do “Velho Chico” com as águas do Oceano Atlântico.