Forte Príncipe da Beira

Considerado uma das maiores fortificações edificadas do Brasil, foi construído no século XVIII. Reflexo da Política Pombalina, em especial nos tratados estabelecidos por Portugal e Espanha (1750-1777), quanto à demarcação dos limites entre os domínios espanhóis e portugueses. A princípio foi erguido um fortim cercado por paliçada, próximo à fronteira da Bolívia, à margem do rio Guaporé, para impedir o avanço dos espanhóis, pois este rio era considerado a "chave do sertão" da colônia.

Esta construção recebeu o nome de Nossa Senhora da Conceição. Em 1776, com a necessidade de uma fortificação mais sólida e em terreno de melhor condição, foram iniciadas as obras, à 2 Km da anterior, do novo Forte, batizado com o nome de Príncipe da Beira, sendo inaugurado em 1783.

A autoria do projeto é atribuída ao ajudante de infantaria, o engenheiro Domingos Sambucetti, sendo substituído após a sua morte, pelo Capitão de Engenheiros Ricardo Franco de Almeida Serra (José Pinheiro de Lacerda). Apresenta plano quadrangular, amuralhado em cantaria e com baluartes nos ângulos - consagrados à Nossa Senhora da Conceição, Santa Bárbara, Santo Antônio de Pádua e São José Avelino -, seguindo os preceitos da arquitetura militar da época, inspirado no sistema elaborado por Vauban. Sobre o terrapleno, há 14 grandes edifícios de pedra lavrada, denominada "pedra canga", e argamassa, que abrigavam os quartéis da guarnição e a capela. A porta principal contava com ponte levadiça sobre fosso seco e era protegida por revelim.