A colonização do Estado do Piauí teve intensa participação dos vaqueiros que partiam de estados vizinhos como o do Maranhão e o da Bahia, no século XVII, que buscavam novas pastagens para seu rebanho. A partir daí, surgiu o que os piauienses chamam carinhosamente de "civilização do couro".

Sua capital, Teresina, é a única das capitais nordestinas que não está situada à beira-mar. Esse fato é explicado pela forma que a ocupação do Estado do Piauí aconteceu, do interior para o litoral – diferentemente de todos os outros Estados da Região.

- Cidade de Oeiras
- Cidade de Piracuruca

O Estado do Piauí está repleto de grandes contrastes. Enquanto sua economia não está entre as mais vigorosas do País, seu território abriga um tesouro histórico de valor inestimável, o Parque Nacional Serra da Capivara. Ali se encontra o sítio arqueológico mais importante do Brasil e de todas as Américas. Sinais indicam que foi nessa região, um cenário pré-histórico no meio do sertão, que surgiu o homem americano, e a muito mais tempo do que se pensava.

Apesar de sua costa se estender por apenas 66km, o Estado do Piauí é detentor de um privilegiado ecossistema, constituído por incontáveis ilhas, lagoas, igarapés e praias de areia fina, cobertas por dunas e coqueirais. Ademais, possui ainda riquezas como o Delta do Parnaíba, o único em mar aberto das três Américas; e o Parque Nacional das Sete Cidades, onde pinturas pré-históricas em cavernas e formações rochosas estão espalhadas por uma grande área preservada, e que datam, no mínimo, 400 milhões de anos.

A vegetação de caatinga, aliado ao clima semi-árido predominante, favorece a agricultura de subsistência, a criação extensiva de gado em grandes latifúndios e o extrativismo de espécies de palmeira como a carnaúba e o babaçu. O Estado do Piauí é praticamente desprovido de indústrias.