Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos

Após conseguir a aprovação do bispado de Mariana e arrecadar uma boa soma de dinheiro, Feliciano Mendes pôde dar início ao pagamento da sua promessa. No ano de 1757, começou a construção do templo em homenagem ao Senhor Bom Jesus de Matosinhos. A construção se estendeu até o ano de 1790. Foram vários os administradores do santuário após a morte de Feliciano Mendes, em 1765. Todos mantiveram o espírito inicial da obra que Feliciano aspirava: construir não apenas a igreja, mas um santuário com as capelas dos passos.

Capela de Nossa Senhora da Ajuda

Localizada no distrito do Alto Maranhão, pouco se conhece a respeito da construção dessa capela, cuja análise construtiva e formal permite incluí-la na segunda metade do século XVIII, o que é confirmado pela informação do IEPHA-MG. A sacristia possui um altar com as imagens de Nossa Senhora das Dores e do Senhor dos Passos, além de um lindíssimo chafariz em pedra-sabão. A sineira apresenta-se lateralmente separada da Igreja.

Capela de Nossa Senhora da Soledade

Capela cuja documentação não é conhecida, mas cujas características permitem atribuí-la à segunda metade do século XVIII, tanto pelo aspecto externo, como pelos elementos interiores. Frontaria típica, com o portal e duas janelas rasgadas ao nível do coro, vão com vergas em arco de círculo. O conjunto é enquadrado por 2 pilares com pedestal, base e capitel toscano; essas pilastras são terminadas com os cunhais. Sobre esses elementos verticais corre um entablamento bem proporcionado, em cujas extremidades há dois coruchéus. Apoiado no entablamento, o frontão movimentado de curvas e contracurvas tem um óculo e é encimado pela cruz. A sineira apresenta-se lateralmente separada da igreja.

Capela do Sagrado Coração de Jesus

Do lado esquerdo do adro do Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos encontra-se uma construção que abriga a Capela do Sagrado Coração de Jesus e a Sala dos Milagres. O altar-mor da Capela é simples, em madeira, com três nichos contendo as imagens do Coração de Jesus, Nossa Senhora de Lourdes e São José.

Igreja Nossa Senhora do Rosário

É a mais antiga de Congonhas. Foi construída pelos escravos em fins do século XVII. Fachada simples. No altar central encontra-se a imagem da padroeira, esculpida em madeira e a imagem de São João Batista em gesso. Aos lados do altar-mor estão as imagens dos santos negros São Benedito e Santa Efigênia. A sineira é separada da Igreja.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição

A frontaria da igreja é do tipo plana, com portal central, duas janelas ao nível do coro e frontão movimentado com óculo circular no tímpano. Cornijamento e cunhais de pedra, duas torres laterais, arrematadas por cúpulas. Sineiras em arco pleno, ornamentada com pináculos e cruz de pedra. A portada, em pedra-sabão, é esculpida com ornamentos concheados e cartela barroca sobre o lintel, na qual está representada a Arca de Noé. A cartela é encimada por um símbolo da realeza de Maria (Regina Angelorum) e, na pedra chave do arco da portaria, há três cabeças de serafins cortando o conjunto arquitetônico. A porta emoldurada e almofadada é em duas folhas, com bandeiras. Esse belo conjunto escultural é atribuído a Aleijadinho .

Igreja Matriz de São José

Iniciada em 1817, teve suas obras terminadas somente no final do século XIX. Não se tem notícia, no entanto, de quem a projetou, nem daqueles que trabalharam em sua obra, mas presume-se que os próprios integrantes da Irmandade de São José participaram diretamente da construção. Externamente, apresenta fachada em curva com torres circulares. A fachada principal recebe entalhadura neoclássica, sendo enriquecida ainda por uma talha em pedra-sabão, de características bastante rudimentares. É rica em esculturas. Seu interior caracteriza-se pelo despojamento, sem talhas e com três altares simplificados. No altar-mor está a imagem de São José, ladeado por Santo Antônio de Pádua e Santa Efigênia.

Os Profetas

Terminada a execução das imagens dos Passos da Paixão, Aleijadinho e seu 'Atelier' iniciam as obras dos Profetas no adro do Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos. O magnífico conjunto escultórico foi totalmente executado em menos de cinco anos. Mesmo muito debilitado pela doença que o consumia, e utilizando largamente do trabalho de seu \'Atelier\', Aleijadinho deixou em Congonhas, nas imagens dos Profetas, a marca de seu gênio. Esta marca se percebe antes mesmo de uma análise mais detalhada dos 12 Profetas. Ela é visível na magnífica integração das estátuas ao suporte arquitetônico constituído pelo adro da Basílica, com suas escadarias em terraços e imponentes muros de arrimo. Os blocos verticais de pedra parecem brotar espontaneamente dos parapeitos que arrematam a parte superior dos muros e, contrapondo a linha horizontal dominante, figuram modulações rítmicas de poderosa força expressiva.

Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos

A ardente fé do português Feliciano Mendes ao Senhor de Matosinhos foi responsável pelo surgimento do Santuário do Bom Jesus, em Congonhas. Na segunda metade do século XVIII, Feliciano Mendes era um dos mineradores à margem do rio Maranhão, onde contraiu uma grave doença cujo nome não se sabe, mas que segundo a tradição teria sido motivada pelos árduos trabalhos de mineração. As preces do devoto ao Senhor de Matozinhos para alcançar a cura foram atendidas e, a partir daí, Feliciano passou a se dedicar inteiramente à construção da Igreja. Não uma igreja comum como as centenas que existiam espalhadas pela capitania das Minas, mas, um santuário, como os dois que existiam na região em que nasceu, nas proximidades de Guimarães, norte de Portugal - O Santuário de Braga e o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, nos arredores do Porto.