O Estado do Mato Grosso do Sul foi especialmente presenteado pela natureza. Ali está situada grande parte do Pantanal Mato-grossense, a maior área alagável do mundo, habitada por enorme variedade de fauna e flora; e a cidade de Bonito, em torno da qual existem verdadeiros aquários gigantes, de águas cristalinas e com grande concentração de grutas e cavernas – completamente preservadas da devastação humana. Ambas as localidades são responsáveis pela chegada de centenas de turistas nacionais e estrangeiros ao Estado.

- Chapada dos Guimarães
- Cidade de Corumbá

Devido à sua localização, as dificuldades de acesso aos grandes centros do País fizeram com que o Estado mantivesse fortes ligações com alguns países vizinhos, como o Paraguai, a Bolívia e a Argentina. Este estreito contato com os povos dessas nações levou os sul-mato-grossenses a absorver traços culturais dessas regiões vizinhas, em especial nas áreas mais próximas da fronteira, onde o sotaque traz intensa influência do castelhano e ainda hoje são marcantes os ritmos musicais como a guarânia, típica do Paraguai.

Detentor de um rico celeiro agropecuário, o Estado busca também os meios para criar um parque industrial para produção primária. A construção do gasoduto Brasil-Bolívia é tida como ação estratégica nesta questão, pois poderá suprir a falta de energia dali – principal obstáculo na instalação de indústrias na região. O Estado do Mato Grosso do Sul também vem desenvolvendo plantações de soja, trigo e algodão; e é ainda, um dos principais criadores de gado de corte, suínos e aves do País.

A temporada de chuvas é bem definida: elas caem de outubro a março e cessam entre abril e setembro, quando o clima é bastante seco. No período das chuvas, a planície pantaneira fica coberta pelas águas; é quando os barcos são os principais meios de transporte da região, usufruindo-se do rico sistema hidroviário formado pelo Rio Paraguai e rios como o Miranda, o Jauru e o Coxim.