Capela de São João Batista

Edifício de arquitetura religiosa, a singela capela localiza-se no antigo Arraial do Ferreiro, hoje desaparecido, distante aproximadamente 10 Km da cidade de Goiás. É uma construção em taipa de pilão e telhado em telha de barro canal, da segunda metade do século XVIII. Tem campanário isolado em estrutura de madeira localizado ao lado do edifício.

Casa de Câmara e Cadeia

O prédio da antiga Casa de Câmara e Cadeia, que hoje abriga o Museu das Bandeiras, é um dos melhores exemplos da arquitetura oficial civil portuguesa no Brasil e o mais significativo do Centro-Oeste. A construção do prédio data de 1766 e foi realizada segundo o projeto da Coroa Portuguesa, projeto esse preservado pelo Arquivo Colonial da Marinha e Ultramar, em Portugal. A parte superior do edifício é formada por salões que atendiam as necessidades administrativas e judiciárias da Vila Boa de Goiás. Na sua parte inferior situava-se a cadeia, com duas enxovias, as celas individuais e a casa de armas. As paredes externas e internas são de taipa de pilão, entremeadas com pedras para dar segurança desejada à cadeia. Nas enxovias, forradas de vigas de madeira, as paredes têm 80 cm de espessura. O prédio funcionou como cadeia até 1950, quando foi doado ao Patrimônio Histórico que o transformou em Museu. O Museu das Bandeiras foi criado em 1954, pelo então Departamento do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - DPHAN, hoje IPHAN. O núcleo inicial do seu acervo foi constituído pelo próprio edifício e pelo arquivo documental da Fazenda Pública da Província de Goiaz. Esse conjunto de documentos representa uma das fontes de informação mais importante sobre a administração pública da região Centro-Oeste no período colonial, Império e República, sendo enriquecido por aquisições e doações de móveis, utensílios e equipamentos, pratarias e outros objetos dos séculos XVIII, XIX e início do XX.

Igreja de Nossa Senhora da Abadia

Edifício de arquitetura religiosa, situado em terreno de esquina no centro histórico da cidade de Goiás. É uma construção de 1790, em taipa de pilão e telhado em telha de barro canal, com torre sineira acoplada ao edifício. Possui em seu interior, forros policromados, imagens, alfaias e móveis antigos que são também protegidas pelo tombamento.

Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte

Edifício de arquitetura religiosa situado entre duas ruas, tendo sua fachada principal voltada para o Largo da Matriz, no centro histórico da cidade de Goiás. Construída em 1779, no local onde esteve a casa do descobridor de Goiás, pertencente à Confraria dos Homens Pardos da Boa Morte, tem paredes em taipa de pilão, telhado em telha de barro canal, planta de nave oitavada, frontispício decorado com volutas e elementos florais e torre sineira isolada do edifício em estrutura de madeira e cobertura em telha de barro canal. Tendo a matriz se arruinado no século XIX, a igreja se tornou a Sé da Boa Morte. Um incêndio, em 1920, destruiu telhados e parte dos retábulos, forros, etc. Reconstruída, permaneceu templo religioso até 1967. Em 1968 a Curia transferiu sua coleção de alfaias, móveis antigos, paramentos e sobretudo imagens do escultor goiano Veiga Valle para a Igreja da Boa Morte, criando-se então o Museu de Arte Sacra da Boa Morte.

Igreja de Nossa Senhora do Carmo

Edifício de arquitetura religiosa situado no centro histórico da cidade de Goiás e, segundo Cunha Mattos, em 1786 foi repassada à confraria de São Benedito dos Homens Pretos e Mulatos. Construção em taipa de pilão e telhado em telha de barro canal, fazendo meia parede com outras construções, de um lado e de outro. Tem fachada plana e sem torre sineira. Possui forro de madeira em nave e capela mor. O tombamento abrange também imagens, alfaias e móveis antigos.

Igreja de Santa Bárbara

Edifício religioso, situado em outeiro no Centro Histórico da cidade de Goiás. Construção de 1780, ficava, à época, "cousa de 300 braças" distante da antiga Viila Boa de Goiás e tem paredes em taipa de pilão e telhado em telha de barro canal, com cruzeiro no adro e contrafortes que se ajustam às suas laterais assegurando a prumada de suas paredes. O tombamento abrange também as imagens, alfaias e móveis antigos.

Igreja de São Francisco de Paula

Edifício de arquitetura religiosa, situa-se em pequena elevação às margens do rio Vermelho, no Centro Histórico da cidade de Goiás. Construção de 1761, tem paredes em taipa de pilão e telhado em telha de barro canal. Tem fachada plana, com cruzeiro de madeira no adro e torre sineira do século XIX separada do corpo da igreja. O tombamento abrange também forros e retábulos policromados, imagens, alfaias e móveis antigos.

Palácio Conde dos Arcos

Edifício de arquitetura civil de grande porte, localizado no Largo da Matriz no Centro Histórico da cidade de Goiás. Antigo Palácio dos Governadores da província, não se sabe corretamente a data de sua construção, possivelmente entre 1775 e 1759 ou mesmo antes. Há vestígios da passagem de D. Marcos de Noronha, o Conde dos Arcos, pelo palácio pois existe no jardim o brasão do Conde dos Arcos, daí o nome do edifício. Consta de extenso pavimento térreo, colocado um pouco acima do solo, tendo ao seu fundo, um jardim. É construção de paredes em taipa de pilão e adobes e telhas de barro canal. Sofreu, ao longo dos anos, diversas reformas e acréscimos, mas que não alteraram substancialmente suas feições. Sua fachada principal recebeu, ao final do século XIX, platibanda e uma porta de entrada com frontão e pilastras à moda clássica. Atualmente, abriga coleções de móveis, quadros e demais objetos sendo aberto à visitação pública.

Quartel do Batalhão de Infantaria

Edifício de arquitetura militar localizado na Praça do Chafariz, no Centro Histórico da cidade de Goiás. Em 1747, foi erguido o primeiro quartel, porém muito reduzido. Possivelmente, entre 1751 e 1763 foi construída a edificação que hoje conhecemos. Na virada do século construíram-se as varandas internas. Nos primeiros anos de nosso século, recebeu tratamento de fachada no estilo eclético até ser restaurado pelo IPHAN, em 1983, guardando seu aspecto original. É uma grande construção que se aproxima de um quadrado com amplo pátio interno. Tem paredes de taipa e telhado em telhas de barro canal. Sua entrada destaca-se do corpo do edifício pois possui, além do térreo, pavimento superior formando como que uma pequena torre.