Situado no coração do Brasil, o Estado do Goiás foi fundado no começo do século XVIII por bandeirantes que chegaram a suas terras em busca do precioso ouro que brotava ali. Distante do mar, mas detentor de valiosas fontes de águas salgadas e sulfurosas, o Estado guarda em suas cidades as marcas deixadas pela época em que a região prosperou devido à riqueza de suas minas, o ciclo do ouro do período colonial.

- Cidade de Jaraguá
- Cidade de Niquelândia
- Cidade de Pilar de Goiás
- Cidade de Pirenópolis

Com inclinação para a agropecuária – fonte de recurso explorada após o fim do ciclo do ouro –, o Estado do Goiás acabou se tornando importante produtor, sendo que a criação de gado é sua principal fonte de renda, seguida da produção industrial e do comércio.

Sua capital, Goiânia, foi especialmente projetada para funcionar como centro político e econômico do Estado, caracterizando-se pela funcionalidade de seus setores bem definidos. Conhecida como a capital da primavera, a cidade foi planejada com um traçado moderno e radiocêntrico. Mas o acelerado ritmo de crescimento impediu que aquele planejamento fosse seguido à risca. No entanto, sua concepção original, que previa a preservação das áreas verdes e floridas foi mantida.

Em 1960, parte de sua área territorial foi destinada à construção de Brasília, a capital do País. Isso facilitaria a comunicação com o centro do Brasil e tornaria o acesso mais fácil a todo o resto do Estado. Em 1988, cerca de 40% da área norte goiana foi desmembrada, dando origem ao Estado de Tocantins.

Desvendar o Estado do Goiás significa conhecer cidades históricas singulares, nascidas de povoados em torno de minas de ouro, como Goiás Velho, Pirenópolis, Corumbá e Pilar de Goiás. Essas cidades mostram, em sua arquitetura e cultura, lembranças do Brasil colonial. Significa, também, conhecer os tesouros naturais preservados como o Parque Nacional das Emas e o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros; os rios Araguaia e Paranaíba; e regiões místicas, como as de Paraúna, com suas estranhas formações rochosas, e Alto Paraíso, considerada por espiritualistas como cidade do terceiro milênio.