Assembléia Provincial

Construído para abrigar a sede da Assembléia da antiga Província do Ceará, teve sua construção iniciada em 1856, e concluída em 1871. Presume-se que sua autoria seja do arquiteto Adolpho Herbster, o qual dirigiu os trabalhos de execução da construção. Nele foram discutidos e votados os atos que permitiriam a Abolição da Escravidão na Província, em 1884, quatro anos antes que o resto do país. O prédio foi tombado em 1973, quando ainda era sede da Assembléia Legislativa do Estado. Em 1977, com a mudança da Assembléia para outro local, o edifício foi cedido para a Academia Cearense de Letras. A construção é formada por por um edifício em dois pavimentos, possuindo frontão e arquivolta em cantaria, que orna a porta principal, a qual é feita em madeira e apresenta formato almofadado na sua decoração. A porta é precedida por um pórtico formado por quatro colunas em pedra de lioz. O pórtico sustenta um balcão e uma balaustrada, para qual se abrem três janelas. Há, na fachada principal, um frontão triangular com o brasão republicano. A fachada principal, bem como a esquerda e a direita, apresentam janelas em arco pleno, possuindo as do piso superior, balcões em ferro trabalhado. As fachadas da construção são lâminadas.

Catedral Metropolitana de Fortaleza

Em 1699 foi lançada a Ordem Régia que resolvia sobre a construção de uma igreja na cidade, além da capela de Nossa Senhora da Assunção que ficava dentro da fortaleza do mesmo nome. A construção da primeira capela-mor da Matriz de Fortaleza foi autorizada pela Ordem Régia de 12 de fevereiro de 1746. No dia 12 de janeiro de 1795 o vigário geral Padre Antônio José Álvares de Carvalho contratou José Gonçalves Ramos para terminar a obra.

Cine São Luís

A construção, iniciada em 1939, só foi concluída em 1958. Com linhas neoclássicas e inspiração art-déco, o cinema tem capacidade para 1.500 pessoas, possui hall e escadaria revestidos em mármore de Carrara, com lustres de cristal da Tchecoslováquia. O São Luís continua a participar ativamente da vida cultural da cidade, inclusive sediando eventos como o festival de cinema Cine Ceará. Praça do Ferreira.

Casa natal de José de Alencar

Casa onde nasceu, em 01/05/1829, o escritor e romancista José de Alencar, autor de obras como "Iracema" e "O Tronco do Ipê". Trata-se de uma pequena casa de três cômodos, construída no século XVIII. A casa foi construída em pedra e cal , com madeiramento primitivo de carnaúba. Possui telhado simples. A construção fazia parte de um conjunto formado de casa-grande e casa de engenho. Em restaurações realizadas, foi feita a troca de parte do madeiramento original por pau d'arco e massaranduba. Próximo à entrada há placa alusiva ao escritor.

Departamento Nacional de Obras Contra as Secas

O edifício foi construído em 1907, passando por reformas em 1934-1935, quando passou a abrigar a sede da antiga Inspectoria Federal de Obras Contra as Secas. Em 1982, o DNOCS (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas) assinou um acordo com a Fundação Nacional Pró-Memória visando a restauração do imóvel e a futura implantação do Museu de Tecnologia do Combate as Secas. O edificio encontra-se na esquina das ruas Pedro Pereira e General Sampaio. Trata-se de um exemplar da arquitetura adotada no início do século, englobando elementos de diferentes estilos. O imóvel possui dois andares, tendo o térreo janelas e portas em arco abatido; a fachada principal tem a parte superior decorada por uma balaustrada encimada por pináculos. Abaixo dela, existe cimalha que percorre as duas fachadas visíveis da rua. As janelas superiores da fachada principal apresentam formato em arco, encimado por outro arco decorado. A entrada principal tem formato semelhante, e é igualmente decorada. As janelas do piso superior da fachada da rua General Sampaio, são encimadas por gradis de ferro. Todas as janelas do edifício possuem vedação em veneziana, assim como as do segundo pavimento possuem balcão formado por gradil em ferro.

Estação João Felipe

A estação foi construída entre 1872 e 1880, por trabalhadores que fugiam da seca. Possui em sua fachada um relógio de fabricação americana, instalado em 1º de dezembro de 1879. Sua fachada tem estilo neoclássico, praticamente inalterada. É outrossim bem tombado do Estado do Ceará.

Estátua de Iracema

Um monumento à protagonista de “Iracema, a virgem dos lábios de mel”, do romancista cearense José de Alencar. A estátua foi construída na Praia do Mucuripe, local onde a virgem esperava, no cais do porto, que seu amor regressasse.

Farol do Mucuripe

Construído em 1840, o Farol Velho foi desativado há muito tempo e restaurado pela primeira vez em 1982 para sediar o Museu do Jangadeiro.É um monumento que relembra os tempos da colonização, quando muitos navegadores portugueses e espanhóis aportaram em nossas praias. Segundo os historiadores, foi na Ponta do Mucuripe que o espanhol Vicente Pinzon aportou em fevereiro de 1500, antes da chegada de Pedro Álvares Cabral.

Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção

O forte Schoonenborch, construído por Matias Beck, tinha a forma pentagonal e era cercado de parapeito e paliçada. Armado com 11 peças de ferro, era guarnecido por 40 soldados. Álvaro de Azevedo Barreto, sucessor de Matias Beck, construiu uma capela e fez uma série de reformas, mudando seu nome para Forte de Nossa Senhora da Assunção. Após seu desmoronamento, foi erguido um outro, por ordem do governador Manuel Inácio de Sampaio, no mesmo local, ainda hoje existente, ao lado do Quartel General da 10a. Região Militar. A fortaleza custara aos cofres públicos e particulares RS. 36:465$264. Em 1817, na parte externa da muralha, foi colocada uma lápide com uma inscrição latina cuja tradução é a seguinte: "Ano 1817. As naus escarneciam de mim, quando eu era um monte informe, agora que sou uma grande Fortaleza, de longe tomam-se de respeito. Aqui, reinado D. João VI, Sampaio me fundou bela, o engenho de Paulet resplandece. Os donativos dos cidadãos me tornam forte pelas muralhas e os dispêndios reais me fazem forte pelas armas". Nos dias atuais as suas muralhas sediam a 10a. Região Militar e continuam de pé, muito bem conservadas, graças ao zelo dispensado pelos comandantes que por ali têm passado.

Igreja da Prainha

Os bairros em Fortaleza nunca foram bem definidos, não se sabendo até onde vão. A chamada Prainha era um bairro que ficava em redor do seminário, indo até a atual Pessoa Anta, Alberto Nepomuceno, Pereira Filgueiras e Nogueira Acioli. Na verdade, existiam a Prainha e o Outeiro da Prainha. O prédio foi construído para um colégio de órfãs, em 1863, mas em 1864, durante a construção, foi convertido em seminário, sendo inaugurado com o venerando Dom Luís Antônio dos Santos, à frente de seu destino, que para lá mudou sua residência. No mesmo ano chegaram de Paris aqueles que viriam ocupar os lugares de reitor e vice-reitor, padres Pedro Augusto Chevalier e Lourenço Henrile. A construção do prédio do Seminário foi feita à custa de esmolas públicas e auxílio governamental de onze contos de réis. Ainda em 1864 iniciaram-se as aulas no final de novembro, graças aos esforços do padre Glicerio da Costa Lobo e Firmino da Rocha Brent. Em 1873 teve matriculados nada menos que 159 alunos. Em 1894 o Seminário sofreu um desabamento parcial, passando por séria reforma.

Paço Municipal

No início do século XIX existiam o bairro da Prainha e o do Outeiro, que hoje foram dissolvidos pela expansão do Centro da Cidade. O palácio Episcopal ficava no bairro do Outeiro, à rua das Almas, hoje rua São José. Foi comprado em 1860 pelo Episcopado por escritura pública perante a Tesouraria da Fazenda no dia 21 de abril, ao comendador Joaquim Mendes da Cruz Guimarães pela quantia de 60:000$000 (sessenta contos de réis), conforme autorização do Ministério do Império em aviso de 12 de março do mesmo ano. Em 1973, quando era arcebispo dom José Delgado, o prédio foi vendido à Prefeitura Municipal e desde então lá funciona o Paço Municipal. Em 1913 o prédio sofreu uma grande reforma feita por José Barros Maia (Mainha), sendo totalmente alterada sua fachada, como pode ser visto na comparação com a foto tirada em 1997. Hoje, parte da fachada foi demolida e o antigo sítio é um bosque aberto à visitação pública, já que o Paço Municipal é um dos pontos turísticos de Fortaleza.

Palacete Ceará

Inaugurado em 1914, figura como símbolo de um período de grandes transformações na fisionomia da cidade. Foi, durante muito tempo, ponto de encontro da sociedade fortalezense, tenso abrigado, entre os anos 20 e 40, o famoso “Club Iracema”. Suas linhas revelam elementos inerentes ao ecletismo arquitetônico, com predominância do neobarroco. Hoje pertence à Caixa Econômica Federal. Praçado Ferreira, Centro.

Palácio da Luz

Antiga sede do Governo do Estado, foi construído no final do século XVIII, com o auxílio de mão de obra indígena, tendo sido adquirida pelo Governo Imperial em 1814. Atualmente, sedia a Academia Cearense de Letras. Localiza-se entre as ruas Sena Madureira, do Rosário, Guilherme Rocha e a Praça dos Leões.

Passeio Público

O Passeio Público de Fortaleza está localizado no centro da cidade. O local onde está localizado o Passeio era conhecido, originalmente, como Campo de Pólvora. Naquele local foram enforcados os integrantes do movimento nomeado "Confederação do Equador" (movimento insurgente contra o governo de D. Pedro I), o qual possuia caráter separatista e republicano. A forca permaneceu no local até 1831, ano da abdicação do Imperador, em detrimento de seu filho. Por este motivo, o Passeio também é conhecido como Praça dos Mártires. A construção da praça foi planejada pelo Presidente da Província do Ceará, José Felix de Azevedo, na década de 20 do século XIX. O local logo se transformou em ponto de encontro para a mocidade da cidade, possuindo, já no século XIX, uma pista de patinação e um espaço reservado para as feiras de quermesse. Além disso, a praça serviu de palco para acontecimentos importantes, como as reuniões dos grupos abolicionistas. A praça é formada de uma área ajardinada, decorada com estatuária de inspiração greco-romana. No local está situado o busto de Delmiro Gouveia, considerado o precursor da industrialização no Nordeste.

Theatro José de Alencar

No coração da cidade está localizado o prédio mais bonito de Fortaleza: o Theatro José de Alencar, verdadeira jóia arquitetônica. No final do século passado, o quarteirão da Rua Liberato Barroso entre a General Sampaio e a 24 de Maio era ocupado por apenas duas instituições: o Batalhão de Segurança (Polícia Militar) e a Escola Normal Pedro II. Em 1908, parte do prédio do Batalhão de Segurança foi cedido pelo Governo Estadual para a construção do Theatro José de Alencar. A construção foi confiada ao capitão engenheiro Bernardo José de Mello e no dia 17 de junho de 1910 o teatro era inaugurado pelo então Presidente da Província, comendador Antônio Pinto Nogueira Accioli.