Fazenda de São Roque: casa grande e capela

A casa grande do antigo Engenho da Barra de São Roque está situada próxima à margem direita do rio Paraguassú e, entre ela e a capela, implantada no ponto mais elevado do sítio, desenvolveu-se a vila. Do engenho, se tem notícias desde meados do século XVII, pertencendo então a Cristovan Cavalcanti e Alburqueque, senhor de vários engenhos. O edifício em questão, contudo, parece datar do final dos setecentos, devido às suas características tipológicas. É um dos exemplares mais antigos, na Bahia, das casas de engenho contornada por varandas em três lados, um artifício de adaptação portuguesa aos trópicos. A planta retangular se organiza a partir de um corredor longitudinal, com salas voltadas para o avarandado, quartos e alcovas ao centro e serviços e jantar nos fundos. Recoberta por telhado em três águas, destaca-se a casa grande por sua horizontalidade, o que é enfatizado pelas varandas sustentadas por colunas com plinto e capitel toscano quadrados e fuste octogonal, raros na Bahia, que se apóiam sobre mureta de alvenaria.

Forte do Paraguassú

O forte de Santa Cruz, também conhecido como Forte da Barra do Paraguassú ou Alemão, situado na margem direita do rio, está hoje reduzido a ruínas e tomado pelo mato. Apenas o terrapleno e três guaritas se conservam. A construção atual é, provavelmente, do início do século XVIII refeita sobre uma outra, da primeira metade dos seiscentos, não havendo consenso quanto aos seus atores, ora atribuindo-se aos holandeses, ora aos portugueses. Fortificação tipicamente marinha, flanqueada por água em três dos seus lados, desenvolvida em forma de hexágono com um só ângulo reentrante e parapeito à barbete, construída em alvenaria de pedra com guaritas em tijolos. Juntamente com o fortim da Forca, na margem oposta do rio, cujos fogos se cruzavam, tinha a função de impedir o acesso dos inimigos ao Iguape e seus engenhos e às vilas de Maragogipe e Cachoeira e, por conseguinte, ao sertão.

Igreja Matriz de São Bartolomeu

Alguma polêmica existe em torno da data de construção deste que é um dos primeiros templos baianos, mas que, de uma maneira geral, é atribuída à segunda metade do século XVII. Situada no pavimento mais alto da cidade, de características monumentais e grandes proporções, a Matriz de São Bartolomeu apresenta planta em cruz latina, contornada por arcarias abertas para o exterior, inclusive o transepto, sobre as quais situam-se as tribunas. Duas sacristias superpostas por consistórios flanqueiam a capela-mor. Este inusitado partido difundiu-se no século seguinte, nas igrejas de corredores laterais e fachada com duas torres. Seu frontispício apresenta um corpo central com frontão triangular ladeado por duas torres com terminação piramidal, revestidas de embrechados de azulejos. Destaca-se no corpo central, a portada em cantaria e folhas almofadadas, flanqueada por outras duas semelhantes que são encimadas por janelas tipo guilhotina, no nível do coro. Seu interior é rico, com altares em talha rococó e neoclássico e ainda possui grande acervo de imagens, telas, prataria e móveis.

Paço Municipal

Situada num dos pontos mais elevados da cidade, a Casa de Câmara e Cadeia data da terceira década do séc. XVIII. Sua planta retangular, com cômodos intercomunicantes, é recoberta por telhado em 4 águas com beira-saveira e o anexo de serviços, no trecho posterior, em uma água. Seguindo a tradição desenvolvida em Salvador em meados do século anterior, apresenta pórtico arqueado, em quase todo o edifício, onde se realiza a feira semanal. No térreo, funcionava a Cadeia e no sobrado, a Câmara cujo acesso é feito por escadaria que secciona a galeria arqueada. O edifício destaca-se por suas características arquitetônicas, de proporções harmônicas. No frontispício, uma galeria de arcos plenos no térreo é encimada por janelas de púlpito com guarda-corpo entalado e coroado por uma espadaña sobre o telhado. No final do século XVIII, foi adaptado um relógio à espadaña que, contudo, foi retirado do edifício quando da sua restauração em meados deste século quando também foram eliminadas as grades dos balcões, dos oitocentos.