Convento e Igreja de Santo Antônio

O convento e a igreja foram construídos por iniciativa dos padres franciscanos e custeados por doações da população tendo sido colocada a pedra fundamental em 1654. O conjunto constituído de Igreja e Convento, em dois pavimentos, está disposto em torno do claustro e da Ordem Terceira que nunca chegou a ser concluída. A igreja, precedida por galilé, possui nave única e capela-mor, ambas com tribunas e sacristia transversal. Sua estrutura é em alvenaria mista de pedra e tijolo, claustro com arco em "asa de cesto", no térreo e pilares monolíticos de arenito, no primeiro andar. A galilé é precedida por adro com cruzeiro, marca dos franciscanos. O frontispício triangular, em estilo barroco, dividido em três planos com pilastras e volutas em cantaria, com torre recuada com terminação piramidal, revestida de azulejos policromados. O convento conserva ainda muitas alfaias e imagens. A sacristia e o claustro ainda conservam os azulejos do tipo tapeçaria e figurados do séc. XVII e XVIII.

Fonte Grande do Morro de São Paulo

Em 1746, por determinação do vice-rei André de Melo e Castro, é construída uma fonte de três bicas para serventia do presídio. O sistema compreende riacho de alimentação, cisterna circular, recoberta por cúpula de tijolo em meia-laranja, galeria abobadada de adução, fonte, constituída por um chafariz e bacia de captação das águas servidas, sistema de drenagem. A fonte, situada em nível inferior à rua, tem planta retangular e frontispício coroado por frontão barroco, em arenito. Uma escadaria com piso em mármore cinza e branco desce até a fonte, onde a água jorra por uma calha de ferro.

Fortaleza do Morro de São Paulo

Em 1630 são iniciadas as obras do Forte Velho, ou da Conceição, por ordem do Governador Diogo Luís de Oliveira. No séc. XVIII, inicia-se a construção do novo Forte da Ponta e cortina ao longo do canal do Tinharé. Esta fortaleza sofre, ainda, alterações até meados do séc. XIX. Sua principal função era defender o canal - por onde escoava a produção de importantes centros de abastecimento - e evitar que embarcações inimigas penetrassem na chamada barra falsa da Baia de Todos os Santos. Projeto atribuído ao Engenheiro Miguel Pereira da Costa, constituído de planta quadrada, com parte das muralhas voltadas para o mar, possui duas pontas que abrigam guaritas redondas. Este sistema de defesa apresenta ainda cortina poligonal, disposta ao longo do canal, tendo na extremidade sudoeste a entrada ao recinto fortificado. A uma distância de aproximadamente 157 m, tendo ao meio uma guarita, encontra-se o Forte Velho ou da Conceição. Completando o conjunto, podemos observar a bateria de Santo Antônio, o Forte de São Paulo, o Forte do Zimbeiro, no alto do morro e, à meia encosta, o Forte de S. Luiz. No cume, onde hoje existe o farol, ficava a primitiva capela, a casa do capelão, o paiol e um trecho da muralha. Das ruínas vê-se a portada em pedra, com ornatos de cantaria e frontão curvo, parte da construção que teria servido de quartel e uma ala com arcada sobre colunas de composição original.