As terras do bairro pertenciam à sesmaria de Gonçalo Correia de Sá, cuja filha dona Vitória, em ocasião de seu falecimento, doaria a extensa propriedade aos Monges Beneditinos. Ali, Frei Lourenço da Expectação Valadares criou, no século XVIII, a fazenda Vargem Grande, na antiga Estrada de Guaratiba, cujas ruínas ainda existem no “Sítio Petra”, número 10636, atual Estrada dos Bandeirantes.

Inicialmente, prevaleceu na região a cultura da cana de açúcar e, depois, o ciclo do café. Em 1891, os Beneditinos venderam todo seu latifúndio à Companhia Engenho Central de Jacarepaguá, daí ao Banco de Crédito Móvel, e, em 1936, à Empresa Saneadora Territorial Agrícola.

A pavimentação da estrada de Guaratiba (Bandeirantes), somada à ampliação do caminho sinuoso da Grota Funda facilitou o acesso à região. Obras de saneamento foram realizadas nos extensos alagadiços dos campos de Sernambetiba, destacando-se a abertura do Canal de Sernambetiba, que captou as águas dos rios Paineiras, Morto, Portão, Cascalho, Bonito etc.

A partir da década de 1990, a paisagem agrícola de Vargem Grande foi alterada por um surto de urbanização. A partir do núcleo urbano inicial surgiram novos loteamentos e condomínios e comunidades de baixa renda como a Vila Cascatinha, somando-se às comunidades do rio Morto e da Beira do Canal.
A imagem de um bairro rural, ligado à natureza, com a esplêndida paisagem florestal do Maciço da Pedra Branca ao fundo, terminou por transformar a região em um pólo de ecoturismo, onde passeios a cavalo, aluguel de sítios, criação de plantas ornamentais e trilhas rústicas somam-se a outros dois fatores de atração: o “Pólo Gastronômico” - com restaurantes rústicos, variados, destacando-se o Gepetto, Quinta, Jardineto, Skunna, Barreado, Gugut etc - e o “Rio Water Planet”, inaugurado em 1998, o maior parque aquático da América do Sul, com mais de 30 atrações diferentes em 400.000 m2 de área.

Grande parte do bairro de Vargem Grande é abrangido pelo Parque Estadual da Pedra Branca que, com seus 12.500 hectares, é considerado a maior floresta urbana do mundo. Destaca-se o Morro de Santa Bárbara (857 metros), o Pico da Pedra Branca (1025 metros) - ponto culminante do Município - a Serra do Rio da Prata (divisa com Campo Grande), os Morros do Cabungui, dos Caboclos, Toca Grande, Toca Pequena, Pico do Morgado, etc, com altitudes entre 500 e 1000 metros. Seu acesso de dá pelas estradas do Morgado, Pacuí, Cabongui, da Mucuíba e do Sacarrão, de onde partem trilhas em direção aos vales do Sacarrão, Cafundá e do Gunzá, com rios encachoeirados, em meio a Mata Atlântica e alguns bananais. Daí são feitas travessias em direção aos bairros de Guaratiba e Campo Grande, pelos antigos caminhos usados pelos sitiantes e tropeiros, com suas mulas e produtos agrícolas.

Destacam-se, ainda, em Vargem Grande, o Haras Pégasus, o templo da Sociedade Budista Tibetana “Karma Teksum Chokorling” e o complexo “Recnov”, da Rede Record, para gravações de tele-novelas, em 73.000 m2 de área.

Capela de São Gonçalo do Amarante
Endereço: Estrada do Camorim, 925

Construída no século XVII, localiza-se no meio de uma densa vegetação nas fraldas da serra do Camorim, em terras que faziam parte da sesmaria de Salvador Correia de Sá. Com linhas singelas e paredes robustas, a pequena capela tem seu interior capel-mor e nave única.