O antigo Bairro da Saúde se estendia da Prainha, atual Praça Mauá, à Gamboa. Era uma faixa arenosa, entre os morros da Conceição e do Livramento, atravessada pela Pedra da Prainha, atual Pedra do Sal.

Já no século XVII, seus trechos eram conhecidos como Valongo e Valonguinho. Ao longo do litoral, havia um caminho rústico que tinha o nome de Rua São Francisco da Prainha, depois Rua da Saúde e, hoje, corresponde à rua Sacadura Cabral.

Em 1704, o padre Francisco da Mota doou à Ordem Terceira da Penitência um trapiche (espécie de porto) e terras nas fraldas do morro da Conceição, à margem da atual Rua Sacadura Cabral. Em 1710, durante a invasão francesa, o trapiche foi destruído e construída uma capela, cuja ornamentação interna data do final do século XIX, com grades e escada em caracol de ferro fundido. Este monumento religioso é tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Em 1742, Manuel Negreiros construiu a Capela de Nossa Senhora da Saúde, na Praia da Saúde. No Valongo, ficava um mercado de escravos, vendidos em armazéns-depósitos. A partir de 1831 o mercado foi desativado. Em 1921, todos os equipamentos existentes no Observatório da Escola Politécnica, situado no Morro de Santo Antônio, foram levados para a Chácara do Valongo, local onde, antes, ficava o mercado de escravos.

A Saúde passou a ter sua orla repleta de trapiches, armazéns e cais, com entrepostos de madeiras, couros, açúcar, cal de mariscos e produtos agrícolas vindos da Bahia. Com o ciclo do café, a região teve notável progresso. O café cultivado no Vale do Paraíba descia a serra e era estocado em seus grandes armazéns.

No Morro da Conceição, destaca-se, ainda, o Palácio Episcopal, resultado da ampliação, no século XVIII, de um convento dos Capuchinhos, para servir de residência aos bispos do Rio de Janeiro. Junto ao Palácio foi construída, entre 1715 e 1718, a Fortaleza da Conceição, para fortalecer o sistema defensivo da Cidade. Outro destaque é o Observatório do Valongo, inaugurado em 1924, no Morro da Conceição.

Os jardins do Valongo, construídos pelo Prefeito Pereira Passos em 1905, são outro marco importante do Bairro. O acesso ao Morro da Conceição é feito, ainda, pelas históricas ladeiras, como a João Homem, Escorrega, Jogo da Bola e seu prolongamento, a Argemiro Bulcão. Esta última ladeira desemboca na Pedra do Sal, berço, no início da República, do nosso primeiro rancho carnavalesco. Na Pedra do Sal, fica o Largo João da Baiana que é um reduto de sambistas. No início do século XX, com as obras de construção do Cais do Porto, grandes aterros alteraram a orla do bairro da Saúde e foram abertas as avenidas Rodrigues Alves, Venezuela, Barão de Tefé, onde surgiram quarteirões com armazéns e galpões.

A rua Sacadura Cabral é o limite entre o bairro original e as novas áreas aterradas. Parte da região da Saúde, compreendendo a Praça Cel. Assunção e a Igreja Nossa Senhora da Saúde passaram para o bairro da Gamboa.

Armazéns do Cais do Porto
Endereço: Avenida Rodrigues alves, s/nº

As obras do cais do porto foram concluídas em 1911 em um imenso aterro de uma área de 175.000m², que inclui, além do atracadouro para navios de grande calado, um conjunto de 18 armazéns internos e 96 externos em torno da atual avenida Rodrigues Alves.
São instalações de grandes dimensões , com telhado estruturado em ferro e paredes externas de alvenaria revestida em argamassa e com decoração arquitetônica muito simplificada, que não podem ser caracterizados como arquitetura eclética. Pertencem ao conjunto da chamada “arquitetura de engenheiros”. Nas faces maiores, os galpões apresentam generosos beirais apoiandos em mãos-francesas metálicas. O projeto foi de Francisco Bicalho no ano de 1907.

Antiga Fundição Manoel Lino Costa
Endereço: Rua Sacadura Cabral, 152/154

O que torna interessante esse antigo edifício industrial é a exuberância dos elementos esculpidos em cimento na decoração da fachada. Bustos, guilandas de flores e lementos arquitetônicos constrastam com os azulejos. Notar a serralheria no térreo.

Casa da Ladeira
Endereço: Ladeira do Morro do Valongo, 21

Com origem no século XVIII, esta casa destaca-se no conjunto arquitetônico do Jardim do Valongo.

Fortaleza da Conceição
Endereço: Praça Major Valô

Projeto do Brigadeiro Massé, teve sua construção iniciada e, 1715 e concluída por volta de 1718. Foi utlizada como fábrica de armas, prisão política e quartel. Juntamente com o palácio espiscopal, abrigou o Serviço Geográfico do Exército e a 5ª Divisão de Levantamento.

Fundição Manoel Lino Costa
Endereço: Rua Sacadura Cabral, 152 e 154

Característica de construção que aconteceu na virada do século XIX, a fachada do prédio tem linguagem arquitetônica rica em ornatos, como flores, medalhões e guirlandas, prolongando-se até a platibanda.

Igreja de São Francisco da Prainha
Endereço: Rua Sacadura Cabral, s/nº

Entre a alegre Praça Mauá e o pouco conhecido Largo de São Francisco da Prainha, na encosta do Morro da Conceição, próximo ao porto do Rio de Janeiro, existe uma das mais venerandas igrejas do Centro da cidade: a antiqüíssima capela de São Francisco da Prainha. Fundada no remoto ano de 1696 pelo Padre Francisco da Motta, foi, com certeza, a primeira construção no Morro da Conceição e, talvez, de toda a região portuária. Dez anos antes, um mulato havia encontrado ouro em Minas Gerais e os portugueses que então desembarcavam no cais do Rio de Janeiro, ávidos de riquezas, patrocinavam a construção de igrejas por toda a cidade. Em 1704, Padre Motta doou a capela à Ordem Terceira da Penitência, bem como algumas casas ao redor que igualmente lhe pertenciam.

Jardim Suspenso do Valongo
Endereço: Acesso pela rua Camerino

Na encosta do morro do Valongo, que se comunica com o morro da Conceição, este jardim suspenso é um aproveitamento do muro de arrimo construídos sobre a rua Camerino durante grandes obras de reforma urbana promovida pelo prefeito Pereira Passos. As quatro esculturas foram trazidas do antigo Cais da Imperatriz, destruído na mesma época do atual cais do porto. O Jardim Suspenso do Morro do Valongo foi planejado pelo paisagista Luis Rei, em 1906, a partir do muro criado para conter o deslizamento da encosta.

Moinho Fluminense
Endereço: Rua Sacadura Cabral, 290

Com tipologia característica das edificações industriais inglesas do século XIX, o prédio tem paredes em tijolos maciços aparentes que, mesclados a elementos estruturais em ferro fundido, constituem a fachada. Destacam-se passadilços em ferro fundido situados na fachada voltada para Praça da Harmonia (atual Coronel Assunção) e mais dois outros sobre uma antiga llinha férrea, além da fachada da Avenida Venezuela, com baixos-relevos compostos por dois dragões alados e volutas nas extremidades.

Tudo começa em 1887 no dia 25 de agosto a Princesa Isabel assinou decreto autorizando o funcionamento do Moinho Fluminense no Rio de Janeiro; em 1889 passa a denominar-se Sociedade Anônima Moinho Fluminense; em 1914 o Grupo Bunge passa a participar do capital da Companhia; na década de 20, a Companhia investe em novas instalações e equipamentos. Mudanças estatuárias permitem a diversificação de suas atividades, efetivando participações acionárias. A primeira delas foi na Fábrica de Tecidos Tatuapé S.A., mantida até abril de 1994; na década de 50, a capacidade produtiva é ampliada, com aquisição de modernos equipamentos na Inglaterra e Estados Unidos.

Palácio Episcopal
Endereço: Rua Majos Daemon, 81

Prédio Histórico que abrigou, de 1702 1 1905, a residência do bispo do Rio de Janeiro, recebendo o nome de Palácio Episcopal da Conceição. Adquirido da Mitra pelo Ministério da Guerra em 1923, duas de suas salas estão ocupadas pelo Museu Cartográfico do Serviço Geográfico do Exército. Lá estão à mostra mapas, fotografias e instrumentos utilizados em levantamentos topográficos que compõem a evolução da cartografia no Brasil.

Pedra do Sal
Endereço: Rua Argemiro Bulcão

A Pedra do Sal é testemunho cultural mais que secular da africanidade brasileira, espaço ritual consagrado e o mais antigo monumento vinculado à história do samba carioca. Outrora teve os nomes de Quebra-Bunda, Pedra da Prainha e, como nas redondezas se carregava o sal, popularizou-se como do Sal.Ali se instalaram os primeiros negros da Saúde, se encontraram as Tias Baianas, soaram os ecos das lutas populares, das festas de candomblé e das rodas de choro. Nas ruas tortuosas e becos que a envolvem, nasceram os ranchos e o carnaval carioca. No dorso da Pedra do Sal estão inscritas as raízes do nosso samba.