Situada em um vale por onde correm as águas do Rio Carioca, encravada entre os Morros do Corcovado, Dona Marta e Mundo Novo e o espigão de Santa Teresa (Morro da Nova Cintra, etc), Laranjeiras possuía características rurais com sítios e chácaras rústicas que abasteciam a Cidade com verduras, legumes e laranjas. As terras dessa região foram divididas em sesmarias e doadas à família de Cristóvão Monteiro, primeiro ouvidor do Rio, que nelas construiu o “moinho velho”. O primitivo caminho de acesso à Laranjeiras acompanhava o Rio Carioca até o Flamengo.

Essas chácaras foram substituídas por outras luxuosas, pertencentes a nobres e homens abastados, como a Chácara Ilhota, de José Antônio Lisboa, a Chácara dos Frontins, a Chácara da Duquesa de Cadaval, a Chácara do Viana, a Chácara do Conde Modesto Leal, entre outras. Em 1895, fizeram em Laranjeiras uma “praça de touros”, de pedras e tijolos, para diversão aos domingos.

O Palácio Guanabara começou a ser construído a partir de 1853, na antiga Chácara do Rozo, pelo comerciante José Machado Coelho. Em 1865, foi comprado pelo Governo Imperial para servir de residência para a Princesa Isabel e o Conde d “Eu, passando então a ser chamado de “Palácio Isabel”. Com o advento da República, hospedou visitantes ilustres, foi moradia de presidentes e, a partir de 1960, tornou-se sede do Governo do Estado. Junto a ele instalou-se, em 1915, o Fluminense Football Club, que ali construiu o seu Estádio das Laranjeiras.

Na antiga Chácara de Carvalho de Sá, junto ao Morro da Nova Cintra, adquirida pelo empresário Eduardo Guinle, foi construído o Palácio das Laranjeiras entre 1909 e 1914, com seus belos jardins. Em 1947, o Palácio passou para o Governo Federal e, em 1975, foi cedido ao Governo Estadual. Nos jardins, ocupando área de 25 mil metros quadrados, surgiu o Parque Guinle.

A Praça São Salvador foi aberta na Chácara de José Alexandre Carneiro Leão, em 1875. Em 1880, o Bairro ganhava feições industriais com a instalação da Companhia de Fiações e Tecidos Alliança, na área da atual Rua General Glicério. A fábrica chegou a ter mais de mil operários e funcionou até 1938, dando origem a casas e vilas operárias. No lugar da fábrica, surgiria, em 1945, o empreendimento imobiliário “Cidade-Jardim Laranjeiras”, um bairro residencial aristocrático, com abertura de ruas, lotes e um conjunto de mais de dez prédios. A essa altura, o Rio Carioca estava todo canalizado, bondes percorriam a Rua das Laranjeiras, o velho Túnel da Rua Alice fazia a ligação com o Rio Comprido e já existia o corte da Rua Pinheiro Machado ligando Laranjeiras a Botafogo (1909/1913).

Com a inauguração do Túnel Santa Bárbara em 1963, Laranjeiras virou rota de ligação entre as Zonas Norte e Sul, o que foi acentuado com a abertura do Túnel Rebouças em 1965, quando se iniciou um período de intensa produção imobiliária, com verticalização das áreas formais e favelização nas encostas. Hoje, o bairro ainda guarda belos prédios, mansões e locais pitorescos como o “Portugal Pequeno” (Rua Cardoso Júnior) e o Mercadinho São José.

Antiga sede do Colégio Sacre-Coeur
Endereço: Rua Pinheiro Machado, 22

No palacete construído em fins do século XIX passou a funcionar, em 1935, o externato do Colégio Sacre-Coeur de Jesus, desativado em 1969.

Capela Coração de Jesus
Endereço: Rua Pereira da Silva, 319

A Capela do Coração de Jesus do Colégio da Providência confere a beleza ao aspecto da tradicional rua residencial de Laranjeiras. A capela fundada em 1853 pelas Filhas de Caridade de São Vicente de Paulo, vindas da França – realiza cerimônias restritas àqueles que fazem ou fizeram parte da escola.

Capela de Santa Terezinha
Endereço: Rua Pinheiro Machado s/nº

Localizada no Palácio Guanabara, um dos mais importantes patrimônios nacionais, a Capela de Santa Terezinha faz parte do cenário dos jardins da sede do governo do Estado do Rio de Janeiro há 62 anos. A história da pequena igreja está entrelaçada com a devoção de Carmela Dutra, esposa do então presidente da República, marechal Eurico Gaspar Dutra, que residiu no palacete na década de 40. Hoje, a capela é utilizada para realização de missas comunitárias e casamentos.

Casa casadas
Endereço: Rua da Laranjeiras, 307

Construídas entre 1874 e 1885 por iniciativa do comerciante português Antônio de Oliveira Leite Leal, as Casas Casadas se configuram como experiência pioneira de condomínio multifamiliar. Grupo de seis casas assobradadas, contíguas, de uso residencial, servidas por acessos individuais, formando um só volume de grande imponência. A composição arquitetônica tira partido da sua implantação em terreno de esquina, produzindo com liberdade estilística um rico tratamento das fachadas e movimentação dos telhados. Do conjunto destacam-se as camarinhas no corpo central da construção, os lambrequins em madeira recortada, o belo trabalho de serralheria e os estuques rebuscados.

Conjunto arquitetônico e esportivo do Fluminense
Endereço: Rua Álvaro Chaves, 41

O pedido de tombamento do Conjunto Arquitetônico e Esportivo do Fluminense Futebol Clube vinha à frente de uma lista de diversos bens em Laranjeiras, para os quais a Associação de Amigos e Moradores de Laranjeiras – AMAL, preocupada com o destino do significativo patrimônio histórico e cultural do bairro, solicitava a proteção ao Estado, antecipando-se aos demais estudos realizados. A história desse Clube inscreve-se com igual importância tanto na construção do esporte brasileiro, como na vida social e cultural do Rio de Janeiro. O futebol foi introduzido no Brasil em 1894, e em 21 de julho de 1902, um grupo de 20 sócios fundou o Fluminense Football Club e, com ele, o futebol no Rio de Janeiro. A sede atual, a quarta do Fluminense, foi inaugurada oficialmente em 18 de dezembro de 1920, com grande festa e homenagem a Arnaldo Guinle, presidente do Clube e o propulsor da realização. O projeto da sede social é atribuído ao engenheiro- arquiteto Hipólito Gustavo Pujol. Domina na fachada o estilo Luiz XVI, mas nos salões há ornamentação e objetos art nouveau e art déco. São notáveis a Sala de Troféus, a Sala da Biblioteca e o Salão Nobre. O teatro foi concluído em 1941. Além da sede, distribuem-se pelo amplo terreno diversos equipamentos esportivos – piscinas, quadras, ginásio (de 1926) e o famoso campo de futebol e atletismo com arquibancada coberta.

Escola Municipal Anne Frank
Endereço: Rua Pinheiro Machado, 190

Inaugurada em 28 de fevereiro de 1961 pelo Governador Carlos Lacerda, o prédio foi Casa da Guarda do Palácio do Governo do Estado.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Glória
Endereço: Largo do Machado

Projeto de 1842 de Júlio Frederico Köoler e Charles Phillipe Garçon Rivière, a igreja teve sua construção concluída em 1872, no mesmo local onde, em 1720, existiu uma capela. Logo após a sua inauguração, foi acrescida a torre sineira. Em estilo neoclássico, possui sete altares no interior executados a partir de 1856 pelo entalhador Antonio Jaci Monteiro. A edificação é utilizada como cenário por Machado de Assis em diversas de suas obras.

Mercado São José
Endereço: Rua das Laranjeiras, 90

Edificação de um pavimento que se deselvolve à volta de pátio descoberto, é de poucos remanescentes de uma série de mercados cosntruídos na década de 1940.

Palácio Laranjeiras
Endereço: Rua Paulo César de Andrade, 407

Implantado em meio a um anfiteatro verde no bairro de Laranjeiras, destaca-se pela suntuosidade, cercado por jardins de gosto romântico, com córrego e lagos artificiais que compõem o cenário do Parque Guinle. Construído entre 1909 e 1914 para moradia do empresário Eduardo Guinle, o projeto é dos arquitetos Armando Carlos da Silva Telles e Joseph Gire, no estilo Luís XIII, contando com a colaboração de paisagistas, escultores e pintores franceses. Mármores, bronzes, vitrais, azulejarias, parquês, mosaicos, rico mobiliário e obras de arte, conferem ao palácio uma arquitetura requintada e de encantamento. É, atualmente, residência oficial do governador do Estado do Rio de Janeiro.

Palácio Guanabara
Endereço: Rua Pinheiro Machado s/nº

O Palácio Guanabara, começou a ser construído em 1853, pelo comerciante José Domingos Coelho, numa propriedade conhecida por Chácara do Rozo de Domingos Francisco de Araújo Rozo, e que era a mais bela chácara da rua, que se chamava Rua Guanabara. Em 1865 o Governo Imperial adquiriu o palacete, de Estilo Néo-Clássico, para ser a residência da Princesa Isabel e do Conde D'Eu, recém-casados. Por isto o palacete passou por uma reforma feita pelo arquiteto José Maria Jacinto Rebelo e passou a chamar-se Paço Isabel.
Com a Proclamação da República, o Governo se apropriou dele para hospedar pessoas ilustres. Em 1908 passou por outra reforma de Francisco Marcelino de Souza Aguiar e do paisagista Paul Villon, que lhe deu algumas características ecléticas, em 1922 hospedou o Rei Alberto da Bélgica. A partir de 1960 tornou-se sede do Governo do Estado do Rio de Janeiro, permanecendo até nossos dias. O Palacete possui exuberantes jardins.

Sobrado e alfaitas
Endereço: Rua Ribeiro de Almeida, 29

Projetado em 1891 por Vicente José Carvalho Filho e construído em 1894. Destaca-se pela implantação em grande terreno com pomar e por seu mobiliário e objetos.