Na região existia uma chácara entre o rio Jacaré e a antiga fábrica Cruzeiro (depois substituída pela General Eletric), ocupada por casebres, cujos moradores eram considerados invasores. A partir da década de 1920, a população foi aumentando, devido à instalação de indústrias no Jacaré e na avenida Suburbana (atual avenida Dom Helder Câmara). Com as migrações dos anos de 1950 a área sofreu adensamento considerável, com conseqüente valorização da terra, o que levou um de seus donos à justiça pela remoção dos moradores, provocando reação da população residente, que conseguiu que o terreno fosse repassado para o governo e permanecer no local.

Em 1980, o programa mutirão efetuou obras de infra-estrutura e melhoramentos na comunidade (ou favela) do Jacarezinho, implementando obras de esgotamento sanitário, drenagem e pavimentação de vias.

Em 1986, foi criada a XXVIII Região Administrativa-Jacarezinho, desvinculando o Jacarezinho do bairro do Jacaré.

Em 2000, a comunidade foi incluída no “Programa Grandes Favelas”, intervenção urbanística baseada no “Programa Favela Bairro”. Seus acessos principais são pelas ruas Esperança, Atiba, Galileu, José Maria Belo e Comandante Gracindo de Sá. Na linha auxiliar, que passa dentro do bairro, fica a antiga estação ferroviária de Vieira Fazenda, atual Jacarezinho.

Há duas praças dentro da comunidade: o Largo do Cruzeiro e a Praça Concórdia.