A origem do nome Irajá tem duas versões. Na primeira, “Irajá” significa “O Mel Brota”, nome dado pelos índios Muduriás, que habitavam a região. Na segunda o nome viria de “Aribo”, de “alto” e “Yá”, “brotar”, ou seja “rio que brota do alto do morro e cai abaixo”, referindo-se ao rio Irajá, que nasce no morro do Juramento e deságua na Baía de Guanabara.

Irajá era a maior Sesmaria do Rio de Janeiro e englobava as terras desde a Baía de Guanabara até a atual Zona Oeste, incluindo, entre outros, os bairros de Anchieta, Realengo, Bangu, Santíssimo e Campo Grande. Foi concedida a Antonio de França, com seu pioneiro engenho de N. Sra. da Ajuda, de 1568, do atual seria desmembrada a Fazenda Grande na Penha e outras propriedades.

As atividades predominantes eram engenhos de açúcar/aguardente, criação de gado e lavouras diversas, se destacando a do Reverendo Antonio Martins Palma e o Engenho N. Sra da Graça. Esse grande engenho foi negociado em 1712 pelo capitão Gaspar Machado ao Capitão Manuel Freire Alemão, que o passaria para Lourenço Silva Borges, indo seus limites do rio dos Cachorros até o rio Meriti.

A freguesia de Irajá foi criada pelo padre Antonio Marins Loureiro em 1644. O padre Gaspar da Costa construiu, em 1647, a igreja de N. Sra. da Apresentação que, no século seguinte, seria substituída por outra que permanece até hoje. Ela era a matriz de toda Zona Rural Carioca, quando em 1775 já havia treze engenhos na região.

Durante o século XVII, Irajá era importante centro de abastecimento de alimentos e material de construção. Seus acessos principais eram a estrada da Pavuna (Automóvel Clube), a estrada de Irajá (Monsenhor Félix), a estrada do Barro Vermelho (Colégio), a da Água Grande e a do Quitungo, que se comunicava com o Porto de Irajá, na Baía de Guanabara. Na construção da Estrada de Ferro Rio D´Ouro, foi instalada, em 1883, a estação de Irajá, extinta na década de 1960. Seu leito foi aproveitado para a implantação da Linha 2 pela Companhia do Metropolitano do Rio de Janeiro – Metrô, sendo inaugurada a estação de Irajá no mesmo local da antiga, em 1983.

Com a abertura da avenida Brasil, prolongada pela antiga avenida das Bandeiras, foram construídos grandes conjuntos habitacionais em suas margens, além da Ceasa, importante Centro de abastecimento de Gêneros Alimentícios, implantado em 1974.

O núcleo principal do bairro é a Praça N. Sra. da Apresentação, onde ficam o cemitério de Irajá - inicialmente da irmandade, inaugurado em 1835, e depois substituído pelo cemitério Municipal, construído entre 1894/1895 -, a Igreja Nossa Senhora da Apresentação - tombada pelo Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro - e o Instituto Jesus Eucarístico. Nessa área ficava a antiga fazenda Irajá, com sua casa grande, grande centro açucareiro com produção elevada que era escoada pelo “Portinho do Irajá”, situado na região de Brás de Pina. Destaca-se a figura de Dom Manuel de Monte Rodrigues, o Conde de Irajá, falecido em 1863, deputado geral pela sua província e Bispo do Rio de Janeiro, em 1839, que sagrou e coroou Dom Pedro II.

As linhas de bondes ligando Madureira a Irajá foram inauguradas em 28/09/1911, em tração animal, até que em 1928 a concessão foi transferida para a Empresa “Cia LIGHT”, que os substitui pelos de tração elétrica. Em 8 de fevereiro de 1962 foi criada a XIV Região Administrativa de Irajá.

Matriz de Nossa Senhora da Apresentação
Endereço: Praça Nossa Senhora da Apresentação, 272

O templo é uma construção em pedra e cal datada da primeira metade do século XVIII. O corpo da construção é composto de uma nave única e uma caple-mor separadas pelo arco-cruzeiro.