O nome é uma corruptela de NHU (campo), AHYBA (ruim), denominação dada pelos indígenas à baixada entre a serra de mesmo nome e Campo Grande. Era atravessada pela Estrada Real de Santa Cruz, atual Av. Cesário de Melo e nela ficava a Fazenda de Inhoaíba, em frente à Fazenda Campinho. Com a implantação do ramal ferroviário de Mangaratiba, atual ramal de Santa Cruz, foi inaugurado em 1912, a estação Engenheiro Trindade, depois chamada de Inhoaíba que consolidou o nome do bairro.

À direita estendia-se a Vila Palmares, da Compainha Palmares, cujos terrenos estavam situados na área da Antiga Fazenda Campinho. Suas terras eram utilizadas para a lavoura do café e da laranja. A urbanização da área se intensifica a partir dos anos 1970, quando surgiram grandes loteamentos, como o Vilar Carioca e o Vilar Guanabara. Parte da área pertence ao Instituto Metodista Ana Gonzaga, que teve grande terreno do lado oposto da ferrovia, ocupado na década de 1990, pela comunidade “Bairro Nova Cidade”.