O nome desse bairro, que tinha uma das mais antigas praias do litoral urbano, está ligado a Gamboas, ou Camboas, que eram pequenas represas, feitas pelos pescadores locais, para prender os peixes que entravam nas águas calmas e cheias de peixes entre a Praia da Saúde e o Saco do Alferes.

Gamboa também deu o nome à praia e ao saco, existentes no local. Outros nomes foram dados a essa região, como praia do Chichorro, das Palmeiras, do Propósito e do Lazareto. O acesso se dava pela rua do Cemitério, atual rua Pedro Ernesto, que a ligava ao Valongo. Na Praia da Gamboa, junto às encostas do morro da Providência, foi fundado em 1809, pelo embaixador britânico Lorde Strangfort, o “British Burial Ground”, o Cemitério dos Ingleses, para enterrar os protestantes.

Ao longo do tempo, a região da Gamboa foi se tornando uma área de atividades portuárias, incrementadas pelo ciclo do café, repleta de trapiches e armazéns. O maior proprietário de terras do local era o Barão da Gamboa, dono de extensa chácara que, em 1852, abriu e prolongou ruas em seus terrenos, criando lotes urbanos. A proximidade do terminal ferroviário com o litoral propiciou a abertura de um túnel sob o morro da Providência e a instalação, em 1879, da Estação Marítima, localizada no Saco da Gamboa. Com o aterro de toda essa orla para a construção do Cais do Porto, projeto elaborado em 1903 por uma comissão presidida pelo Ministro Lauro Muller e concretizado pela empresa de Paulo de Frontin, o Saco da Gamboa desapareceu e foi ocupado por terminais ferroviários de cargas.

Uma das obras marcantes do bairro é o Hospital Nossa Senhora da Saúde, tombado pelo Patrimônio Histórico, erguido a partir de 1840, no alto do Morro da Gamboa. Esse hospital foi muito importante no combate às epidemias que assolaram a Cidade, em 1986. Várias indústrias surgiram na Gamboa, com destaque para os moinhos Inglês e Fluminense, ambos de 1887, que tinham cais próprio.

Em 1921, foi inaugurado o Túnel João Ricardo, ligando o bairro da Gamboa à Central do Brasil. A área foi revitalizada com a implantação, em 2005, da “Cidade do Samba”, um espaço fixo e definitivo que abriga os barracões das escolas de samba do Grupo Especial. O empreendimento, uma iniciativa Prefeitura do Rio de Janeiro, com infra-estrutura para receber visitantes e turistas, ocupa uma área de 114.000m2 e faz parte do Plano de Recuperação e Revitalização da região Portuária.

Centro Cultural José Bonifácio
Endereço: Rua Pedro Ernesto, 80

O Centro está localizado na Gamboa, bairro da zona portuária da cidade, que guarda aspectos importantes da história do Negro no País, dentre eles, a literatura de Machado de Assis - nascido no Morro do Livramento.

Escadaria
Endereço: Rua Costa Barros, entre a Rua Rosa Saião

Formada com patames inercalados, seguindo o aclive natural do terreno. No calçamento utilizam-se paralelepípedos, e os degraus são compostos por blocos de granito.

Igreja de Nossa Senhora da Saúde
Endereço: Rua Silvino Montenegro, s/nº

Em 1742 o devoto Manoel da Costa Negreiros obteve a provisão a fim de erguer uma capelinha dedicada a Nossa Senhora da Saúde. Reformada em 1898 ainda é a mesma que chegou aos nossos dias. Igreja barroca, possuí nichos e altar-mor em estilo rococó e interessante serralheria policrômica.

Reservatório do Morro do Pinto
Endereço: Rua Monte Alverne, 40

Construído em 1840, na Gamboa, entre a Cidade Nova e Santo Cristo, o reservatório com capacidade de cerca de 174 m³, foi construído pelo visconde de Mauá e cedido ao governo imperial para prover o abastecimento do morro do Pinto.

V Batalhão da Polícia Militar
Endereço: Praça Coronel Assunção s/n (antiga praça da Harmonia)

Com casario da rua Sacadura Cabral e o Moinho Fluminense, o batalhão completa a harmonia eclética da praça.