O artista Hector Julio Páride Bernabó, mais conhecido como Carybé, nasceu no dia 7 de fevereiro de 1911 na cidade de Lanús, localizada na zona sul de Buenos Aires. Ele se tornaria famoso pintor, gravador, desenhista, ilustrador, ceramista, escultor, muralista, pesquisador, historiador e jornalista. Ele passou alguns anos na Itália, dos 6 meses aos 8 anos, partindo então para o território brasileiro, a princípio residindo no Rio de Janeiro, onde o pintor realizou seus estudos na Escola Nacional de Belas Artes.

Seu principal estilo se resume na pintura figurativa, a qual lembra a estética abstrata. No solo carioca Hector ganhou o apelido que o consagraria como artista, pois no grupo de escoteiros do Clube do Flamengo que ele integrava cada um recebia a denominação de um peixe; coube a ele Carybé, que designava uma espécie de piranha. Para se destacar no campo artístico e se diferenciar do irmão, que tinha um nome similar e era igualmente artista plástico, ele assumiu este epíteto como pseudônimo. De 1935 a 1936 ele atua ao lado do escritor argentino Julio Cortázar e trabalha como desenhista no jornal El Diário.

Sua primeira mostra coletiva ocorre em 1939, quando Carybé empreende uma parceria com o artista plástico Clemente Moreau, no Museu Municipal de Belas Artes de Buenos Aires. Em 1940 ele se torna o ilustrador da obra Macunaíma, de Mário de Andrade. Um ano depois o pintor empreende uma longa jornada pelo Uruguai, Brasil, Bolívia e Argentina, financiando esse ‘tour’ com a remuneração recebida por sua ilustração do Almanaque Esso.